Alexandria, 28 anos, socialista e latina, bate veterano democrata em Nova Iorque

A ativista de 28 anos derrotou Joseph Crowley, considerado a quarta figura mais influente dos democratas na Câmara dos Representantes, nas primárias do partido para o 10.° distrito de Nova Iorque.

Até agora, Joseph Crowley era apontado como potencial sucessor de Nancy Pelosi como líder dos democratas na Câmara dos Representantes. Talvez por isso a derrota do congressista nas primárias de terça-feira para escolher o candidato do partido ao 10.° distrito de Nova Iorque face à pouco conhecida Alexandria Ocasio-Cortez tenha causado tal surpresa. Mais ainda por Alexandria Ocasio-Cortez ter 28 anos, ser hispânica e as suas posições políticas serem tão à esquerda que é descrita pelos media americanos como "socialista".

A cinco meses das eleições de novembro - em que vão a votos todos os congressistas, um terço dos senadores e os governadores de 39 estados - os democratas veem uma das suas principais figuras (estava no cargo desde 1999, tendo vencido dez eleições consecutivas) ser derrotada por uma adversária inexperiente. Isto num momento em que o partido aposta em tirar aos republicanos a maioria na Câmara dos Representantes. Neste momento, o Partido Republicano tem maioria em ambas as câmaras do Congresso americano, além de terem também Donald Trump na Casa Branca.

Veja aqui a reação da ativista à vitória:

Mas quem é Alexandria Ocasio-Cortez?

Nascida no Bronx numa família de classe média, Alexandria Ocasio-Cortez não esquece as raízes. Foi isso que mostrou num vídeo de campanha que se viria a tornar viral e no qual aparece a andar de metro e nas suas atividades diárias como ativista social.

Filha de uma empregada de limpeza porto-riquenha e de um motorista de autocarro nova-iorquino nascido também no Bronx, foi no entanto numa escola de Yorktown, no condado de Westchester, uma zona de classe alta, que estudou. Tudo porque não havia vagas nas escolas do Bronx quando chegou à idade de entrar para a primária.

Formada em Economia e Relações Internacionais pela Universidade de Boston, voltou ao Bronx após completar os estudos, tendo servido às mesas e trabalhado num bar para ganhar algum dinheiro. O salário era essencial para ajudar a família a pagar as contas, depois da morte do pai de Alexandria e com a mãe a manter dois empregos: como empregada doméstica e motorista de autocarro.

Ameaçadas pelo banco, a mãe e a avó foram forçadas a vender a casa e a mudarem-se para a Florida. Foi nesse ano que Alexandria começou a trabalhar na campanha de Bernie Sanders, o senador que disputou com Hillary Clinton as primárias democratas de 2016.

E foi no veterano Sanders e nas suas posições de esquerda que se terá inspirado. Em 2017, apesar de ainda estar a pagar os empréstimos de estudante decidiu candidatar-se contra Crowley nas primárias democratas para governador de Nova Iorque. Apoiada por grupos de esquerda como One Revolution ou Democracy for America, mobilizou o eleitorado e conseguiu mesmo vencer com quase 60% dos votos.

Se em novembro derrotar o rival republicano, esta millenial será a mulher mais jovem eleita para o Congresso nos EUA.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.