Alergia a amendoins mata cliente e dono de restaurante acaba na prisão em Inglaterra

Três semanas antes, uma cliente de 17 anos sofreu também uma reação alérgica noutro restaurante do mesmo dono

O proprietário de um restaurante indiano em Inglaterra foi hoje condenado a seis anos de prisão devido à morte de um cliente que era alérgico a frutos secos, com um takeaway que continha amendoins.

O caso ocorreu em janeiro de 2014 e Mohammed Zaman, de 53 anos, dos arredores de York, norte de Inglaterra, foi condenado pela morte de Paul Wilson, de 38 anos, que pediu galinha 'tikka masala', especificando que não poderia conter amendoins, o que estava mesmo escrito na tampa do seu pedido. A vítima foi encontrada morta na casa de banho da sua casa em consequência de um choque anafilático, porque o seu pedido foi feito com um pó de amendoim.

Três semanas antes da morte de Wilson, uma cliente de 17 anos sofreu também uma reação alérgica num outro restaurante de Zaman, depois de ter sido assegurada que a refeição não incluía frutos secos. Neste caso, a jovem necessitou de tratamento hospitalar.

No caso da morte de Paul Wilson, os advogados de acusação disseram que Mohammed Zaman trocou um pó de amêndoa, mais caro, pela mistura de amendoins, para poupar dinheiro.

Os advogados acrescentaram que Zaman é proprietário de seis restaurantes, em que emprega trabalhadores ilegais e sem formação. Na decisão que proferiu, o juiz disse que Zaman deitou a perder tudo por que tinha trabalhado, considerando somente o lucro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.