Alemanha vai devolver padrão português levado por Diogo Cão à Namíbia

É um marco da navegação portuguesa que ganhou morada no litoral sudoeste de África em 1486. A ministra da Cultura alemã acredita que a devolução do monumento é um processo de reconciliação do país com o passado.

Foi há mais de 500 que o navegador português Diogo Cão colocou na costa central da Namíbia este padrão que ergue o escudo de Portugal. Com cerca de dois metros de altura e mais de 350 quilos, o monumento que deu àquela zona o nome de Cabo da Cruz e que marcou o período das navegações portuguesas retornará agora a casa, depois de anos sob a alçada do Museu Histórico Alemão. De acordo com a BBC, a ministra da cultura alemã Monika Gruetters anunciou que o museu irá devolvê-lo à Namíbia depois de ter sido levado durante a era colonial.

Quando a área onde Diogo Cão deixou a cruz de pedra se encontrava sob controlo colonial alemão, na década de 1890, foi levada pela Alemanha e, assim, transferida para a Europa. Mas a Namíbia voltaria para a resgatar. Em 2017, pediu mesmo o retorno do monumento e na sexta-feira o museu de Berlim acordou formalmente com o pedido. O padrão de calcário deverá ser devolvido em agosto.

A Alemanha comprometeu-se devolver os artefactos e restos humanos às suas antigas colónias, o que a ministra Monika Grütters acredita ser "um claro sinal de que (o país) está comprometido em aceitar o passado colonial".

E não é a única. Também o embaixador da Namíbia na Alemanha, Andreas Guibeb, considera que este é um "importante passo para se reconciliar com o passado colonial e o rastro de humilhação e injustiça sistemática que deixou para trás".

A cruz tornou-se tão conhecida que até surgia em mapas antigos daquela área. O presidente da fundação do Museu Histórico Alemão, Raphael Gross, disse que o padrão é uma representação do "lento início do domínio colonial na atual Namíbia".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.