Alemanha "será sempre responsável" pelo "inferno" de Auschwitz

"Nós assumimos a responsabilidade pelas atrocidades que ocorreram durante a Segunda Guerra Mundial contra polacos e judeus", referiu o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão que visitou esta segunda-feira o campo de concentração de Auschwitz

O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Heiko Maas, visitou esta segunda-feira o antigo campo de concentração de Auschwitz que definiu como "o inferno na terra, uma criação alemã da qual a Alemanha sempre será responsável".

O chefe da diplomacia alemã visitou Auschwitz antes de uma reunião com o seu homólogo polaco Jacek Czaputowicz, realizada no mosteiro franciscano em Harmeze, sul da Polónia, a cuja congregação pertencia o frade Maximiliano Kolbe, assassinado pelos nazis em Auschwitz.

"Escolhemos este lugar para realizar a nossa reunião como forma de expressar o nosso respeito e prestar homenagem a todas as vítimas polacas dos crimes alemães cometidos durante a Segunda Guerra Mundial", afirmou Czaputowicz.

Heiko Maas considerou que o lugar é um "símbolo importante da história difícil" que os dois países compartilham, "mas também uma prova da maturidade das relações entre Polónia e Alemanha", sublinhando que "os campos de concentração representam os parágrafos mais sombrios da história da Alemanha".

"Nós assumimos a responsabilidade pelas atrocidades que ocorreram durante a Segunda Guerra Mundial contra polacos e judeus", mencionou Maas.

Cerca de um milhão de judeus foram assassinados durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) em Auschwitz, juntamente com católicos, membros da resistência, homossexuais e ciganos, entre outros alvos

O ministro alemão disse que atualmente a Polónia "não é apenas uma vizinha, mas também uma amiga valiosa e uma parceira importante na Europa", reconhecendo que os dois países ainda precisam de abordar muitas questões "difíceis" se quiserem dar um impulso decidido aos seus relacionamentos.

"Neste sentido, estamos a preparar consultas intergovernamentais que acontecerão neste outono", avançou.

Entre essas questões "difíceis" estão as reparações pela guerra, lembrou Czaputowicz, que explicou que na Polónia "há um sentimento de tratamento injusto, se se comparar as perdas sofridas durante a Segunda Guerra Mundial e as compensações recebidas".

Cerca de um milhão de judeus foram assassinados durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) em Auschwitz, juntamente com católicos, membros da resistência, homossexuais e ciganos, entre outros alvos.

De acordo com a agência de notícias espanhola Efe, Heiko Maas assinou o livro de visitas do museu de Auschwitz-Birkenau, onde se referiu dessa forma ao antigo campo nazi na Polónia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.