Berlim pede explicações a embaixador dos EUA sobre apoio a conservadores

Richard Grenell, há um mês no cargo, disse querer "dar poder" aos conservadores europeus

A Alemanha pediu explicações ao embaixador norte-americano em Berlim, após este ter dito que iria apoiar os conservadores na Europa, numa entrevista ao portal de extrema-direita Breitbart.

Segundo o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Berlim pediu "um esclarecimento" a Richard Grenell, que está no cargo na Alemanha há menos de um mês e que tem esta quarta-feira um encontro marcado com o secretário de Estado Andreas Michaelis.

"Pedimos um esclarecimentos aos EUA e se os comentários foram feitos da forma como foi relatado", indicou o porta-voz.

Na entrevista, o diplomata disse que foi contactado por "muitos conservadores em toda a Europa", que lhe deram conta do "ressurgimento no progresso" deste movimento político, impulsionado pelo fracasso das políticas de esquerda.

"Quero apoiar outros conservadores em toda a Europa, outros líderes", acrescentou o embaixador.

Na opinião de Richard Grenell, a eleição de Donald Trump "permitiu que as pessoas dissessem que não autorizam que a classe política determine quem vai ganhar ou quem deve ser candidato antes que a eleição ocorra".

As suas declarações causaram polémica na Alemanha e na Europa, tendo o líder dos políticos liberais no Parlamento Europeu, Guy Verhofstadt, afirmado que se deve defender a Europa contra Trump.

"Um diplomata não tem que interferir nas nossas eleições ou tentar influenciar a nossa sociedade. Respeitamos a soberania dos Estados Unidos e eles têm de fazer o mesmo", acrescentou.

Contudo, depois de ser atacado na rede social Twitter, Grenell pareceu recuar parcialmente na opinião, considerando "ridículo" poder apoiar partidos conservadores ou candidatos nas eleições na Europa.

Convite polémico

Esta não é a primeira vez que Grenell gera polémica, que nos primeiros dias do cargo fez o que parecia uma ameça às empresas alemãs no Twitter.

Agora, segundo a revista Spiegel, terá voltado a quebrar o protocolo ao convidar o chanceler austríaco Sebastian Kurz, crítico da política de abertura aos refugiados da chanceler Angela Merkel, para um almoço na embaixada dos EUA durante a sua visita a Berlim, a 12 de junho. Na entrevista ao Breitbart disse considerar Kurz "uma estrela de rock", admitindo que é um "grande fã" do conservador austríaco, que se aliou à extrema-direira para governar.

Merkel recusou comentar o almoço. "Como muitos outros, tomei conhecimento disso", afirmou simplesmente numa conferência de imprensa com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu. Este disse por sua vez que também se tinha encontrado brevemente com Grenell durante a sua visita a Berlim. "O embaixador norte-americano pediu-me que me encontrasse com ele no aeroporto. Não retiraria grandes significado disso."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.