Berlim pede explicações a embaixador dos EUA sobre apoio a conservadores

Richard Grenell, há um mês no cargo, disse querer "dar poder" aos conservadores europeus

A Alemanha pediu explicações ao embaixador norte-americano em Berlim, após este ter dito que iria apoiar os conservadores na Europa, numa entrevista ao portal de extrema-direita Breitbart.

Segundo o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Berlim pediu "um esclarecimento" a Richard Grenell, que está no cargo na Alemanha há menos de um mês e que tem esta quarta-feira um encontro marcado com o secretário de Estado Andreas Michaelis.

"Pedimos um esclarecimentos aos EUA e se os comentários foram feitos da forma como foi relatado", indicou o porta-voz.

Na entrevista, o diplomata disse que foi contactado por "muitos conservadores em toda a Europa", que lhe deram conta do "ressurgimento no progresso" deste movimento político, impulsionado pelo fracasso das políticas de esquerda.

"Quero apoiar outros conservadores em toda a Europa, outros líderes", acrescentou o embaixador.

Na opinião de Richard Grenell, a eleição de Donald Trump "permitiu que as pessoas dissessem que não autorizam que a classe política determine quem vai ganhar ou quem deve ser candidato antes que a eleição ocorra".

As suas declarações causaram polémica na Alemanha e na Europa, tendo o líder dos políticos liberais no Parlamento Europeu, Guy Verhofstadt, afirmado que se deve defender a Europa contra Trump.

"Um diplomata não tem que interferir nas nossas eleições ou tentar influenciar a nossa sociedade. Respeitamos a soberania dos Estados Unidos e eles têm de fazer o mesmo", acrescentou.

Contudo, depois de ser atacado na rede social Twitter, Grenell pareceu recuar parcialmente na opinião, considerando "ridículo" poder apoiar partidos conservadores ou candidatos nas eleições na Europa.

Convite polémico

Esta não é a primeira vez que Grenell gera polémica, que nos primeiros dias do cargo fez o que parecia uma ameça às empresas alemãs no Twitter.

Agora, segundo a revista Spiegel, terá voltado a quebrar o protocolo ao convidar o chanceler austríaco Sebastian Kurz, crítico da política de abertura aos refugiados da chanceler Angela Merkel, para um almoço na embaixada dos EUA durante a sua visita a Berlim, a 12 de junho. Na entrevista ao Breitbart disse considerar Kurz "uma estrela de rock", admitindo que é um "grande fã" do conservador austríaco, que se aliou à extrema-direira para governar.

Merkel recusou comentar o almoço. "Como muitos outros, tomei conhecimento disso", afirmou simplesmente numa conferência de imprensa com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu. Este disse por sua vez que também se tinha encontrado brevemente com Grenell durante a sua visita a Berlim. "O embaixador norte-americano pediu-me que me encontrasse com ele no aeroporto. Não retiraria grandes significado disso."

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."