Álbum de rap com letras antissemitas vence prémio Echo

Corpos "mais definidos do que os dos prisioneiros de Auschwitz" , cantam os músicos

Os rappers Kollegah e Farid Bang venceram um prémio de música alemão - o Echo - e a organização está a ser alvo de críticas uma vez que as letras do álbum vencedor são consideradas antissemitas. O galardão foi anunciado esta quinta-feira, na mesma data em que se assinalava o Dia em Memória das Vítimas do Holocausto.

A dupla alemã faz referência ao campo de concentração nazi na canção "0815", onde afirmam que os seus corpos estão "mais definidos dos que os do prisioneiros de Auschwitz".

Os músicos venceram o prémio Echo na categoria Hip-Hop/Urbano, por terem vendido mais de 200 mil cópias do seu álbum, e receberam a distinção na passada quinta-feira.

No mesmo dia, Israel celebrava o Yom HaShoah, o Dia em Memória das Vítimas do Holocausto, em homenagem aos seis milhões de judeus que morreram nos campos nazis durante a Segunda Guerra Mundial.

Kollegah e Farid Bang negam que sejam antissemitas, no entanto as letras da canção estão a gerar um debate aceso na Alemanha.

O Ministro da Justiça alemão, Heiko Maas, disse que tais "provocações antissemitas" são "simplesmente repugnantes". "É uma vergonha que este prémio tenha sido entregue no Dia em Memória das Vítimas do Holocausto", disse Heiko Mass, citado pelo The Guardian.

"O facto de responsáveis da indústria musical distinguirem tais comentários com a desculpa da arte e da liberdade de expressão é escandaloso", declarou Josef Schuster, presidente do Conselho Central de Judeus da Alemanha.

Antes mesmo da dupla de rappers ter conquistado o prémio, o Comité Internacional de Auschwitz já tinha dito que a presença dos músicos na cerimónia era "um estalo na cara dos sobreviventes do Holocausto".

O prémio Echo é atribuído anualmente pela associação que reúne as editoras de discos e o vencedor de cada ano é determinado pelas vendas do ano anterior.

Veja o vídeo com a música "0815":

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.