Air India bate recorde do voo mais longo do mundo

Companhia aérea indiana lançou o voo que percorre maior distância, ligando a Índia à costa oeste dos EUA

A Air India lançou este mês o voo mais longo do mundo sem escalas, uma ligação aérea entre Nova Deli, na Índia, e São Francisco, nos Estados Unidos. O voo de 15 300 quilómetros demora cerca de 14 horas e 30 minutos.

A companhia aérea indiana já fazia a ligação entre estas duas cidades mas este mês introduziu uma alteração: em vez de sobrevoar o oceano Atlântico, o avião sobrevoa agora o oceano Pacífico. A mudança acrescentou 1400 quilómetros à rota, tornando este o voo que percorre a maior distância do mundo, segundo o Telegraph. Porém, ao viajar sobre o Pacífico, a companhia aérea conseguiu tirar duas horas à viagem, devido aos ventos de cauda, ou seja, aqueles que sopram na mesma direção em que a aeronave viaja.

A deslocação permitiu até aos passageiros e tripulação do Boeing-777 200ER dar um pequeno salto no tempo, como explicou um dos pilotos ao Times of India. "O avião partiu de Nova Deli às quatro da manhã de domingo (16 de outubro). Estávamos naquela data até ao Japão. Depois disso, passámos a Linha Internacional de Data e era 15 de outubro. Quando aterrámos em São Francisco eram seis e meia da manhã de 16 de outubro", contou o piloto.

O segundo voo mais longo neste momento é da Emirates e liga Dubai a Auckland, Nova Zelândia e percorre 14120 quilómetros em 16 horas, segundo a Quartz.

O título de voo mais longo, no entanto, poderá não pertencer à Air India durante muito tempo: a Singapore Airlines já anunciou que vai relançar em 2018 a ligação entre Singapura e Nova Iorque, nos Estados Unidos, um voo que percorre 16 500 quilómetros em 19 horas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.