A onda de choque após as acusações contra Weinstein

Agressões sexuais registadas nas artes, política, empresas, imprensa e desporto

Cerca de cinco meses depois do escândalo Weinstein, a onda de choque mundial dos casos de agressão e assédio sexual alarga-se e já atingiu os setores do espetáculo, da política, da comunicação social, empresarial, desportivo e até humanitário.

Mais de uma centena de mulheres acusaram o produtor Harvey Weinstein desde as primeiras revelações pelo New York Times, em outubro de 2017. O produtor está sob investigação das polícias de Nova Iorque, Los Angeles e Londres.

Várias celebridades, como os atores Kevin Spacey, Dustin Hoffman, Michael Douglas ou James Franco também foram acusadas e reapareceriam as acusações da enteada de Woody Allen.

A Metropolitan Opera de Nova Iorque afastou em dezembro o seu diretor musical, James Levine, acusado de agressão sexual por quatro homens.

O magnata norte-americano do hip-hop Russell Simmons, posto em causa por várias mulheres por violação e agressão, abandonou todas as funções nas suas empresas.

O diretor do New York City Ballet, o dinamarquês Peter Martins, que se demitiu depois de acusado de assédio sexual e abusos físicos por uma vintena de antigos bailarinos, acaba de ser inocentado.

No Canadá, Gilbert Rozon, o produtor e fundador do Festival "Juste pour rire" ("Só para rir") demitiu-se depois de acusações de assédio e agressão sexual feitas por várias mulheres.

Em dezembro, a Orquestra Sinfónica de Montreal anunciou a abertura de inquérito interno por assédio sexual ao chefe da orquestra, o suíço Charles Dutoit.

Os apresentadores da NBC Matt Lauer e CBS Charlie Rose demitiram-se, acusados de assédio ou comportamento incorreto.

O n.º 2 do Governo australiano, Barnaby Joyce, demitiu-se, depois de uma polémica devido a uma ligação extraconjugal e acusações de assédio.

No Reino Unido, o vice-primeiro-ministro Damian Green, acusado de assédio, saiu de funções depois de ter reconhecido que mentiu sobre imagens pornográficas descobertas no seu computador no parlamento.

Também o seu colega ministro da Defesa, Michael Fallon, se demitiu, por ter colocado uma mão no joelho de uma jornalista em 2002.

No Canadá, o ministro dos Desportos, Kent Hehr, demitiu-se depois de acusado de comportamento impróprio para com mulheres.

Nos EUA demitiram-se do Congresso por razões similares os democratas John Conyers e Al Franken e o republicano Trent Franks.

Em França, os ministros Nicolas Hulot e Gerald Darmanin foram acusados de agressão sexual, o que negam categoricamente.

O controverso islamólogo suíço Tariq Ramadan, acusado de violação por duas mulheres, está detido em França desde 02 de fevereiro.

A organização não-governamental britânica Oxfam está sob os holofotes depois da revelação de abusos cometidos no Haiti por alguns dos seus funcionários, depois do sismo de 2010, escândalo que provocou a demissão da diretora adjunta. Um responsável admitiu ter pago a prostitutas em locais financiados pela organização. Outros abusos foram revelados no Sudão do Sul e Libéria e a Oxfam está a investigar 26 novos casos.

O n.º 2 da Unicef, o britânico Justin Forsyth, demitiu-se depois de ter sido acusado de comportamento impróprio para com mulheres, quando trabalhava para a organização Save the Children.

O diretor-adjunto da Onusida, acusado de agressão sexual por uma empregada, mas inocentado por um inquérito interno da ONU, anunciou a sua saída da agência.

Os Médicos Sem Fronteiras recensearam 24 casos de assédio ou abuso sexual no seu seio em 2017.

O maior escândalo sexual da história do desporto norte-americano, revelado em 2016, conheceu o seu epílogo em plena onda de choque do caso Weinstein. O antigo médico desportivo Larry Nassar foi condenado a peadas penas de prisão, por agressão sexual a pelo menos 265 ginastas.

Em 09 de fevereiro, a antiga nadadora olímpica norte-americana Ariana Kukors acusou Sean Hutchison, um dos antigos treinadores da seleção, de ter abusado dela quando tinha 16 anos, o que ele nega.

O magnata dos casinos Steve Wynn, acusado de agressão sexual, abandonou as suas funções de presidente da Wynn Ressorts e responsável pelas finanças do Partido Republicano.

O principal dirigente da Ford na América do Norte, Raj Nair, saiu do grupo automóvel por "comportamento inapropriado" não detalhado.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.