Agressões brutais a polícias franceses foram filmadas pelos atacantes

Polícia foi chamada a intervir numa festa de réveillon e dois agentes foram brutalmente agredidos. Um deles, uma mulher, foi pontapeada repetidamente no chão. Imagens foram divulgadas nas redes sociais

Dois agentes da polícia francesa ficaram feridos na noite de domingo, véspera de ano novo, depois de terem sido brutalmente agredidos após serem chamados a intervir devido a desacatos numa festa privada.

As agressões aconteceram pouco antes da meia noite de segunda-feira, dia 1 de janeiro: cerca de 300 a 400 pessoas queriam entrar num pavilhão em Champigny-sur-Marne, nos arredores de Paris, onde se realizava uma festa de ano novo e onde já tinham entrado cerca de 200 pessoas. O espaço "não tinha dimensão para as acolher", explicou à BFMTV Jean-Yves Oses, o diretor territorial de segurança pública.

Sob pressão da multidão, a porta do recinto cedeu e entraram dezenas de pessoas antes de serem retiradas do interior pela polícia, que estava no local para acalmar os ânimos. "Um grupo de indivíduos particularmente violentos começou a atacar os polícias, que tiveram de fazer uso de meios lacrimogéneos", explicou Oses. Uma patrulha que se encontrava no local foi visada com mais violência: o capitão e uma agente foram brutalmente agredidos, sendo que o homem ficou com o nariz partido e a mulher sofreu traumatismos vários, sobretudo no rosto.

O grupo de agressores chegou mesmo a filmar o ataque aos polícias e a colocar as imagens nas redes sociais. No vídeo, é visível a brutalidade dos golpes: o capitão tentou disparar a arma mas não teve força, enquanto a agente, caída no chão, é pontapeada de todos os lados, tentando sem sucesso cobrir a cabeça com os braços para evitar ferimentos mais graves.

Os agentes foram internados e tiveram alta segunda-feira ao final do dia.

Duas pessoas estão já sob custódia da polícia, mas por outros delitos ocorridos na mesma noite, sem relação com as agressões. O presidente francês reagiu no Twitter, denunciando um "linchamento cobarde e criminoso" dos polícias e garantindo que os responsáveis serão encontrados e punidos. "A força permanecerá com a lei", escreveu Emmanuel Macron.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.