Agressões brutais a polícias franceses foram filmadas pelos atacantes

Polícia foi chamada a intervir numa festa de réveillon e dois agentes foram brutalmente agredidos. Um deles, uma mulher, foi pontapeada repetidamente no chão. Imagens foram divulgadas nas redes sociais

Dois agentes da polícia francesa ficaram feridos na noite de domingo, véspera de ano novo, depois de terem sido brutalmente agredidos após serem chamados a intervir devido a desacatos numa festa privada.

As agressões aconteceram pouco antes da meia noite de segunda-feira, dia 1 de janeiro: cerca de 300 a 400 pessoas queriam entrar num pavilhão em Champigny-sur-Marne, nos arredores de Paris, onde se realizava uma festa de ano novo e onde já tinham entrado cerca de 200 pessoas. O espaço "não tinha dimensão para as acolher", explicou à BFMTV Jean-Yves Oses, o diretor territorial de segurança pública.

Sob pressão da multidão, a porta do recinto cedeu e entraram dezenas de pessoas antes de serem retiradas do interior pela polícia, que estava no local para acalmar os ânimos. "Um grupo de indivíduos particularmente violentos começou a atacar os polícias, que tiveram de fazer uso de meios lacrimogéneos", explicou Oses. Uma patrulha que se encontrava no local foi visada com mais violência: o capitão e uma agente foram brutalmente agredidos, sendo que o homem ficou com o nariz partido e a mulher sofreu traumatismos vários, sobretudo no rosto.

O grupo de agressores chegou mesmo a filmar o ataque aos polícias e a colocar as imagens nas redes sociais. No vídeo, é visível a brutalidade dos golpes: o capitão tentou disparar a arma mas não teve força, enquanto a agente, caída no chão, é pontapeada de todos os lados, tentando sem sucesso cobrir a cabeça com os braços para evitar ferimentos mais graves.

Os agentes foram internados e tiveram alta segunda-feira ao final do dia.

Duas pessoas estão já sob custódia da polícia, mas por outros delitos ocorridos na mesma noite, sem relação com as agressões. O presidente francês reagiu no Twitter, denunciando um "linchamento cobarde e criminoso" dos polícias e garantindo que os responsáveis serão encontrados e punidos. "A força permanecerá com a lei", escreveu Emmanuel Macron.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.