Agredida sexualmente três vezes no espaço de uma hora em Londres

A polícia britânica divulgou imagens das câmaras de vigilância em busca de pistas

Uma adolescente de 17 anos terá sido agredida sexualmente três vezes no espaço de uma hora, em Londres. É essa a convicção da polícia britânica, que procura agora pistas que ajudem a encontrar os suspeitos.

A Polícia Metropolitana publicou as imagens captadas pelas câmaras de vigilância e descreveu como terá sido o percurso e o ataque, na esperança de obter informações sobre este caso. "Acreditamos que duas das três agressões sexuais foram muito sérias, de facto, e estamos determinados em apanhar as pessoas responsáveis por estes crimes hediondos", disse a inspetora Suzanne Jordan, da divisão de crimes sexuais da polícia.

As autoridades divulgaram duas imagens, que corresponderão aos suspeitos 2 e 3, respetivamente. Do indivíduo que terá levado a cabo o primeiro ataque, cerca das 23:55 de 29 de setembro, a imagem não tem qualidade suficiente para merecer ser divulgada. A polícia acredita que o último ataque foi perpetrado pelas 00:55 de 30 de setembro e que o suspeito 3 faria parte de um grupo.

A vítima terá sido atacada depois de se ter separado dos amigos após uma noite num bar. Segundo a polícia, é vista pouco antes da meia-noite de dia 30 com um homem em Cambridge Heath Road. Pouco depois, a rapariga surge nas imagens de uma outra câmara na Mint Street a ser seguida por um outro homem, de bicicleta. Quando é novamente apanhada pelas câmaras, a adolescente já está na Corfield Street e o suspeito já se aproximou.

Às 00:45 a jovem terá sido alvo de um terceiro ataque. Pouco depois, a vítima é vista estendida no chão por um cidadão que liga para as autoridades. A adolescente é encaminhada para o hospital.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.