Agências da ONU firmam acordo para combater poluição e alterações climáticas

Pretende-se melhorar a coordenação no manuseamento dos resíduos químicos e fazer progressos no aumento da qualidade da água e da nutrição

A Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Organização das Nações Unidas (ONU) Meio Ambiente firmaram hoje, no Quénia, um acordo para desenvolver ações conjuntas contra a poluição, as alterações climáticas e a resistência antimicrobiana, entre outros.

Melhorar a coordenação no manuseamento dos resíduos químicos e fazer progressos no aumento da qualidade da água e da nutrição são outros dos propósitos que vão unir as duas agências da ONU durante os próximos quinze anos, informou a OMS em comunicado.

A colaboração deverá marcar uma nova etapa no trabalho conjunto para a investigação, o desenvolvimento de ferramentas e a monitorização dos objetivos de desenvolvimento sustentável.

O acordo foi firmado em Nairobi, onde está a sede da ONU Meio Ambiente, por Erik Solheim, diretor executivo daquela agência, e Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor geral da OMS, que está de visita a África.

"Há uma necessidade urgente de que as nossas agências trabalhem mais em conjunto para abordar ameaças que são críticas para a sustentabilidade do meio ambiente e do clima, indicou Erik Solheim, de acordo com a nota de imprensa.

O diretor geral da OMS afirmou, por seu turno, que a saúde das pessoas está "diretamente relacionada" com a saúde do ambiente em que vivemos.

"Juntos, ar, água e perigos químicos matam mais de 12,6 milhões de pessoas por ano. Isto não deve continuar", realçou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.