Afirmar a lusofonia e a francofonia como "contrapeso cultural" ao inglês

Representantes do espaço linguístico do português e do francês encontram-se hoje e amanhã na Sorbonne Nouvelle, em Paris, para refletir sobre novas formas de cooperação e de definição de estratégias comuns a nível mundial

Reunir os decisores e intervenientes dos espaços linguísticos do português e do francês para refletir sobre os desafios da globalização e encontrar estratégias para as duas línguas serem um contrapeso cultural ao inglês é o objetivo do Congresso da Francofonia e da Lusofonia 2017, que hoje se inicia em Paris.

Para a presidente do congresso e diretora da Faculdade de Línguas Estrangeiras Aplicadas da Universidade Sorbonne Nouvelle, a luso-francesa Isabelle de Oliveira, é fundamental a cooperação entre os dois espaços linguísticos e culturais na criação de uma escapatória para a diversidade e combate à atrofia linguística resultante da utilização de um globish de 1500 palavras em inglês, usado como veículo de comunicação no plano internacional.

Notando que, neste ponto, o espaço da francofonia está mais avançado - a França tem uma política da língua com mais de 40 anos, nota a professora -, Isabelle Oliveira defende a necessidade de uma lusofonia transformadora, a pensar no futuro, uma lusofonia solidária em que todos os Estados da CPLP colaborem ativamente em todas as áreas para que o português se possa afirmar como língua técnica, jurídica, de transmissão de conhecimentos, de dizer o mundo de uma outra maneira. Esta é uma vertente indispensável para os restantes espaços linguísticos levarem a lusofonia a sério, o que não sucede ainda, em sua opinião.

Prolongando-se por dois dias e dividido por 11 painéis, o congresso abordará temas como o francês e o português: línguas de inovação científica numa perspetiva de internacionalização da investigação, as políticas de educação nos dois espaços linguísticos, a inteligência económica: vetor de desenvolvimento e de cooperação internacional, a diplomacia cultural e a questão dos media na francofonia e lusofonia, em que participam o diretor do DN, Paulo Baldaia, e o editor executivo da TSF, Ricardo Oliveira Duarte. Isto hoje.

Amanhã, a reflexão irá centrar-se em temas como a estratégia política entre os espaços linguísticos nos organismos internacionais, o cruzamento de línguas como dinamizador da criação literária, a questão das diásporas, a igualdade entre homens e mulheres na vida política e social, oportunidades, desafios e perspetivas do universo digital, onde o português é já a quarta língua em termos de presença, nota Isabelle de Oliveira. E, se hoje o inglês é a língua mais utilizada nas plataformas digitais, este é um fenómeno que poderá não ser perene, explica a diretora da Faculdade de Línguas Estrangeiras Aplicadas da Universidade Sorbonne Nouvelle, citando estudos que apontam para o possível declínio daquele idioma.

Afirmar a lusofonia no plano internacional não passa necessariamente pela normalização da língua. Para a académica luso-francesa, a diversidade, as variantes lexicais são uma riqueza e não será a uniformização que trará maior relevo ao português no mundo. Com mais de 255 milhões de falantes, o português é a sexta língua mais falada no mundo, após o chinês, o espanhol, o inglês, o hindi e o árabe, no entanto, pesa menos do que poderia potencialmente representar, pensa Isabelle de Oliveira. E, ainda que sendo a terceira língua mais falada, o inglês detém uma posição de hegemonia como língua veicular que aponta, na opinião da académica luso-francesa, para uma situação de darwinismo cultural e de segregação linguística, fenómenos a combater por representarem um empobrecimento das culturas e dos instrumentos de comunicação. Neste ponto, além de uma convergência entre a lusofonia e a francofonia, Isabelle de Oliveira defende o alargamento à hispanidade num projeto que define como a afirmação de uma neolatinidade para melhor enfrentar os desafios da globalização.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.