Aeroportos dinamarqueses reabertos após falsa ameaça de bomba

Não foi encontrado nenhum objeto suspeito nos terminais dos dois aeroportos evacuados esta tarde. Centros comerciais ainda estão por abrir

A polícia dinamarquesa anunciou hoje que dois aeroportos foram evacuados durante algumas horas, e entretanto reabertos, juntamente com uma praça pública e dois centros comerciais, devido a uma série de ameaças de bomba.

Os aeroportos de Aarhus (oeste) e Roskilde (leste) foram reabertos pela polícia horas após terem sido encerrados por uma ameaça de bomba. A polícia dinamarquesa inspecionou os dois centros comerciais que foram evacuados pelo mesmo motivo, informou a agência noticiosa Efe.

Em nenhum dos terminais dos aeroportos foi encontrado qualquer objeto suspeito, informou a polícia, que espera reabrir em breve um centro comercial em Roskilde a oeste de Copenhaga, a capital dinamarquesa e outro em Slagelse, 60 quilómetros a sul.

As autoridades policiais de Copenhaga comunicaram também que vários locais identificados da capital dinamarquesa, incluindo o aeroporto, a reitoria da universidade e o principal hospital, receberam ameaças semelhantes enviadas por correio eletrónico, mas foram consideradas sem qualquer fundamento.

Um porta-voz policial indicou ao canal TV2 que as ameaças dirigidas contra a capital eram idênticas e provenientes do mesmo emissor.

A polícia precisou ainda que as operações decorreram com normalidade, sem terem sido registados feridos.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.