Advogados pedem que mandado de detenção contra Assange seja retirado

O fundador da WikiLeaks está exilado na capital britânica há mais de cinco anos

Os advogados de Julian Assange pediram hoje a um tribunal britânico que o mandado de detenção em vigor no Reino Unido contra o fundador do portal WikiLeaks, que permanece exilado na embaixada do Equador em Londres, seja retirado.

Tal decisão iria permitir a Assange sair da embaixada equatoriana na capital britânica, onde está exilado há mais de cinco anos.

Os representantes de Assange alegam que o mandado de detenção em questão não tem qualquer propósito, uma vez que o jornalista deixou de ser procurado para responder diante da justiça da Suécia no âmbito de um processo por alegadas agressões sexuais.

Em maio de 2017, a justiça sueca abandonou o processo contra Assange, justificando na altura que não existiam quaisquer perspetivas de conseguir levar o jornalista à Suécia num futuro previsível.

O fundador do WikiLeaks sempre negou tais acusações e argumentou que o mandado de detenção era uma manobra para conseguir a sua extradição para os Estados Unidos, onde pode ser processado pela publicação de documentos militares e diplomáticos confidenciais.

Apesar da decisão sueca, e à luz da justiça britânica, o fundador do portal WikiLeaks ainda corre risco de prisão se sair da representação diplomática equatoriana em Londres.

Assange é procurado por incumprimento de fiança ao ter pedido em 2012 refúgio na embaixada do Equador, para escapar a uma eventual extradição para a Suécia.

O advogado Mark Summers disse hoje no Tribunal de Magistrados de Westminster que o mandado de detenção "perdeu propósito e as respetivas funções".

A instância judicial deverá anunciar uma decisão a 6 de fevereiro, segundo uma porta-voz daquele tribunal, em declarações à agência France-Presse.

No passado dia 11 de janeiro, o Equador divulgou que tinha concedido a nacionalidade equatoriana a Assange, que nasceu na Austrália.

No mesmo dia, o Governo de Quito indicou que tinha pedido às autoridades britânicas para atribuírem um estatuto diplomático a Assange, algo que foi recusado pelo executivo de Londres.

Na quinta-feira, o Presidente equatoriano, Lenin Moreno, disse que o Equador e o Reino Unido estavam a procurar uma solução "que proteja a vida" de Assange, mas também que leve à justiça o fundador do WikiLeaks.

"Tive uma conversa com a embaixadora do Reino Unido e ela está de acordo comigo: vamos encontrar juntos uma solução que proteja a vida de Julian Assange e que permita, ao mesmo tempo, que ele seja sancionado pelo erro que cometeu", disse Moreno.

As declarações de Moreno foram feitas depois de o jornal britânico The Guardian ter publicado na quarta-feira um relatório elaborado por dois médicos que indicava que o estado de confinamento em que vive Assange há mais de cinco anos é "perigoso fisicamente e mentalmente" para o jornalista e que constitui "uma clara violação dos direitos de acesso a cuidados".

A extradição de Assange continua a ser uma prioridade para as autoridades dos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.