Advogado de Trump quer impedir publicação de livro sobre a Casa Branca

Supostas declarações de Steve Bannon estão a agitar a política norte-americana e já resultaram em reações do Presidente dos EUA

Depois de um advogado de Donald Trump ter ameaçado o antigo conselheiro Steve Bannon com uma ação judicial, surge agora a notícia de que os representantes legais do Presidente dos EUA estão a tentar parar a publicação do livro "Fire And Fury: Inside the Trump White House" ("Fogo e Fúria: Dentro da Casa Branca de Trump").

No livro, escrito pelo jornalista e escritor Michael Wolf, estão uma série de revelações explosivas sobre os tempos de Trump à frente dos EUA. A revelação de algumas declarações de Bannon já fizeram com que Trump dissesse que o seu ex-conselheiro tinha "enlouquecido".

De acordo com o Washington Post, o aviso é direcionado ao autor do livro, mas também à editora do mesmo, e inclui queixas de difamação.

A carta, redigida pelo advogado Charles J. Harder, pede à editora que "cesse e desista imediatamente da publicação e divulgação do livro", incluindo excertos ou resumos do mesmo. Os advogados de Trump pretendem também ter uma cópia do livro.

O mesmo advogado já havia ameaçado Steve Bannon com um processo, afirmando que o ex-estratega da Casa Brtanca tinha feito "declarações disparatadas" e algumas até "totalmente difamatórias" no livro.

O livro de Michael Wolff, cuja edição está prevista para a próxima terça-feira dia 9 de janeiro, é resultado de mais de 200 entrevistas, incluindo as conversações entre Trump e responsáveis da Casa Branca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.