Advogado de Slobodan Milosevic assassinado

Um famoso advogado sérvio, que esteve na equipa jurídica de defesa do ex-presidente da Jugoslávia Slobodan Milosevic, foi morto a tiro junto à sua casa, em Belgrado.

Dragoslav Ognjanovic, de 57 anos, foi baleado em frente do seu prédio no bairro de Novi Beograd, na capital sérvia. O filho, de 26 anos, foi ferido no braço direito, informou o Ministério do Interior em comunicado.

Como advogado criminalista, Ognjanovic serviu no início dos anos 2000 na equipa jurídica que ajudou a defender Milosevic no julgamento por crimes de guerra perante o Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia, em Haia.

Milosevic acabou por morrer na unidade de detenção do tribunal em 2006 antes que um veredicto fosse produzido.
Esse facto gerou, nos últimos dois anos, a falsa notícia de que o líder nacionalista sérvio tivesse sido inocentado.

Ao longo dos anos, Ognjanovic também defendeu alguns dos principais criminosos da Sérvia.
Vários membros das redes de crime organizado sérvio e montenegrino foram mortos em Belgrado nos últimos dois anos, no que a polícia descreve como uma guerra territorial relacionada com o controlo do mercado das drogas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.