Administração Trump é a mais rica que já passou pela Casa Branca

Só a filha Ivanka e o marido, Jared Kushner, têm património de 240 milhões de dólares e potencial para vários conflitos de interesses, revela imprensa norte-americana

A filha e o genro do Presidente norte-americano, Ivanka Trump e Jared Kushner, mantêm um património de 240 milhões de dólares em investimentos imobiliários, apesar de terem assumido funções junto da presidência, informou a Casa Branca.

Os dados financeiros revelados hoje pela Casa Branca, que incluem os rendimentos de várias outras personalidades da administração Trump, como Steve Bannon, Sean Spicer ou Kellyanne Conway, permitem concluir tratar-se do grupo mais rico que entrou numa administração presidencial, escreve a Associated Press.

Kushner, conselheiro sénior do Presidente Donald Trump, e a sua mulher e filha do chefe de Estado, Ivanka Trump, abdicaram de todas as suas entidades empresariais e venderam 58 ativos que os advogados identificaram como apresentando potenciais conflitos de interesse.

Mas o casal manteve muito do que construiu num império global do ramo imobiliário, num valor de, pelo menos 240 milhões de dólares (cerca de 225,2 milhões de euros ao câmbio de hoje).

Advogados de Kushner e na Casa Branca, em conjunto com o Gabinete de Ética Governamental, determinaram que estas propriedades, muitas das quais em Nova Iorque, não deverão apresentar conflitos de interesse que impliquem uma necessidade de alienar.

Numa comunicação antes da divulgação dos dados, fontes da Casa Branca explicaram que "estas não são as propriedades que estas pessoas detêm hoje. São as propriedades que tinham quando entraram na administração".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".