Regresso ao Acordo de Paris? Tillerson e McMaster dizem que sim

Secretário de Estado e conselheiro do presidente abrem a porta a um entendimento, Casa Branca desmente mudança de posição

O secretário de Estado Rex Tillerson afirmou que o presidente dos Estados Unidos é favorável a permanecer no Acordo de Paris sobre alterações climáticas, caso se consiga "construir um conjunto de parâmetros que sejam justos". À CBS, o chefe da diplomacia declarou: "O presidente disse estar aberto a encontrar as condições em que podemos permanecer comprometidos com as outras partes, sobre o que todos concordamos ser um tema desafiante."

Embora não sugira a permanência no Acordo de Paris, também o conselheiro de segurança nacional do presidente, H.R. McMaster, foi bastante claro sobre as intenções do líder norte-americano, em declarações à ABC: "Ele deixou a porta aberta para podermos voltar a entrar mais tarde, caso haja um acordo melhor para os Estados Unidos."

Donald Trump anunciou em junho que os Estados Unidos iriam abandonar o Acordo de Paris, assinado em 2015. O pacto de 188 países estabelece medidas para a redução das emissões de dióxido de carbono, responsáveis pelo aumento global das temperaturas e, em consequência, das alterações climáticas.

Horas antes de Tillerson e de McMaster terem feito coro pelo diálogo, a assessora de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, reiterou que os Estados Unidos mantêm a mesma posição, ou seja, o abandono do Acordo: "Não houve mudança na posição dos Estados Unidos sobre o Acordo de Paris. Como o presidente deixou bem claro, os Estados Unidos vão retirar-se, a menos que possamos voltar a entrar em termos que sejam mais favoráveis ao nosso país."

Esta sucessão de declarações com tonalidades distintas deu-se após o comissário europeu para a Energia e Alterações Climáticas, Miguel Arias Cañete, ter afirmado que os Estados Unidos tinham mostrado interesse em rever os termos do acordo. "É uma mensagem bem diferente da que ouvimos do presidente Trump no passado", afirmou o espanhol durante a reunião informal com ministros do Ambiente de mais de 30 países. Uma reunião informal organizada pelo Canadá, China e União Europeia e que decorreu em Montreal, Canadá

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.