Acusado de abusos sexuais ex-dirigente da Igreja católica nos EUA

Um antigo dirigente da Igreja católica em Phoenix, no estado norte-americano do Arizona, foi acusado de abusar sexualmente de um rapaz, há 35 anos, foi hoje noticiado.

O bispo emérito Thomas O'Brien, que liderou a diocese de Phoenix durante 21 anos, foi acusado de abusos sexuais ocorridos em várias ocasiões, entre 1977 e 1982, de acordo com a agência noticiosa Associated Press (AP).

Tim Hale, advogado do queixoso, agora com 47 anos, disse que as acusações estão a ser investigadas pela polícia de Phoenix. As autoridades policiais recusaram fazer qualquer comentário.

A diocese de Phoenix indicou que O'Brien, de 81 anos, negou as acusações.

O bispo liderava a Igreja católica em Phoenix, quando várias dioceses nos Estados Unidos, incluindo Boston, eram acusadas de permitirem que padres suspeitos de abusos sexuais se mantivessem em contacto com crianças.

Num acordo de imunidade, negociado em 2003, o bispo reconheceu ter permitido que funcionários da Igreja, acusados de abusos sexuais, continuassem em contacto com crianças.

Semanas depois do acordo, O'Brien apresentação a resignação, em junho de 2003, quando foi detido pela morte de uma pessoa, num acidente de atropelamento e fuga. O bispo foi condenado a cumprir mil horas de serviço comunitário, sob liberdade condicional, por ter abandonado o local de um acidente.

Amanda Jacinto, porta-voz do Gabinete do Procurador de Maricopa, afirmou que o acordo de imunidade é válido, o que significa que o bispo não pode ser julgado por ter deixado funcionários da igreja, acusados de abusos sexuais, em contacto com crianças.

Jacinto acrescentou que o acordo não impede a Justiça de apresentar um caso contra O'Brien caso existam provas de pedofilia.

John C. Kelly, advogado que representa a diocese de Phoenix, escusou-se a comentar a queixa e as acusações contra O'Brien.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.