Cimeira Putin-Trump será num "país terceiro"

Conselheiro de Segurança dos EUA, John Bolton, esteve reunido em Moscovo com o presidente russo, Vladimir Putin.

O conselheiro do Kremlin para as questões internacionais, Iuri Ushakov, disse hoje que a Rússia e os EUA chegaram a acordo sobre uma cimeira entre Vladimir Putin e Donald Trump, cuja data e local serão anunciados na quinta-feira.

Citado pela agência Associated Press, Ushakov precisou apenas que a cimeira se realizará num "país terceiro", uma solução prática tanto para a Rússia como para os EUA, indicou.

A cimeira será constituída por um encontro entre os dois presidentes seguido de uma conferência de imprensa conjunta, disse, acrescentando que Putin e Trump deverão também divulgar uma declaração conjunta.

Trump, que tomou posse como presidente dos EUA em janeiro de 2017, e Putin só se encontraram até agora à margem de cimeiras internacionais, a última delas no Vietname, em novembro.

Ushakov, que anunciou o acordo após o encontro, em Moscovo, entre Putin e conselheiro de segurança nacional norte-americano, John Bolton, disse que as conversações com este responsável foram "construtivas e eficientes".

Antes do encontro com o presidente russo, Bolton reuniu-se com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov.

Em ambos os encontros, disse Ushakov, as conversações incluíram o estado das relações bilaterais, o controlo de armas nucleares, o abandono pelos EUA do acordo nuclear com o Irão e a situação na Síria, Ucrânia e Coreia do Norte.

O conselheiro russo escusou-se a dizer o que a Rússia espera da cimeira, manifestando apenas a expectativa de que dê "um forte impulso" à normalização das relações entre a Rússia e os EUA e de que seja "o acontecimento internacional mais importante deste verão".

Desde a entrada em funções de Trump, em janeiro de 2017, os dois presidentes só se encontrarem à margem de reuniões internacionais, a mais recente das quais no Vietname em novembro de 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.