Acidente com autocarro turístico faz 18 mortos e 30 feridos

Condutor do autocarro perdeu o controlo do veículo, invadiu a faixa contrária e caiu num barranco

Pelo menos 18 pessoas morreram e cerca de 30 ficaram feridas na Tailândia, após um autocarro turístico ter caído num barranco, no nordeste do país, informaram hoje fontes oficiais.

O acidente ocorreu na noite passada numa estrada no distrito de Wang Nam Khieo, na província de Nakhon Ratchasima, numa curva acentuada, disse à agência espanhola Efe, por telefone, uma porta-voz da divisão de Prevenção de Desastres.

Segundo a mesma fonte, o condutor do autocarro perdeu o controlo do veículo, invadiu a faixa contrária e caiu pela margem da estrada.

No autocarro viajavam 50 pessoas, 16 das quais morreram no local do acidente e outras duas no hospital, onde foram atendidas por ferimentos outros 32 passageiros.

A viatura tinha sido fretada por um grupo de turistas da província de Kalasin, no nordeste do país, que regressavam a casa após passarem uns dias de férias na região costeira de Chantaburi.

Os acidentes rodoviários são frequentes na Tailândia devido ao escasso respeito pelas normas de tráfico e a condução perigosa dos condutores profissionais, que em muitos casos fazem jornadas de mais de 12 horas na estrada.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), as estradas da Tailândia, onde morrem anualmente 24 mil pessoas em acidentes, são as segundas mais perigosas do mundo.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.