Abstenção marca eleições na Geórgia, partido no poder deve ser grande vencedor

A taxa de participação foi de 37,5%, segundo a Comissão Eleitoral Central

Uma elevada abstenção marcou hoje a segunda volta das eleições legislativas da Geórgia, que deverão dar uma grande maioria ao partido pró-ocidental no poder, Sonho Georgiano, ainda que com acusações de fraude dos adversários.

As urnas fecharam às 20:00 locais (16:00 de Portugal) e a taxa de participação foi de 37,5%, segundo a Comissão Eleitoral Central. Os primeiros resultados não são esperados antes da manhã de segunda-feira.

Os dois partidos pró-ocidentais, o Sonho Georgiano e o Movimento Nacional Unido (MNU), do antigo Presidente no exílio Mikheïl Saakachvili, devem partilhar a maior parte dos 150 assentos do Parlamento.

"As eleições decorreram numa atmosfera calma e os eleitores expressaram-se livremente", indicou a Comissão Eleitoral Central numa conferência de imprensa, embora a Sociedade Internacional para a Democracia e Eleições Livres, uma organização não-governamental que colocou no terreno 700 observadores, tenha denunciado várias violações das regras eleitorais.

"Foi negado aos georgianos o direito a uma escolha eleitoral livre. O nível de violações das regras eleitorais, as pressões sobre os eleitores e a compra de votos são assustadores", disse um dos dirigentes do MNU, Giorgi Baramidze, citado pela agência de notícias AFP.

As acusações já tinham marcado a primeira volta, a 08 de outubro, e acontecem quando o escrutínio é observado atentamente pelos aliados ocidentais do país, do Cáucaso, que quer entrar para a NATO e é considerado um dos raros bons exemplos em matéria de democracia entre as ex-repúblicas soviéticas.

Na primeira volta o primeiro-ministro, Giorgi Kvirikashvili, reclamou uma "enorme vitória", mas a oposição falou em fraudes.

Segundo os resultados da primeira volta o Sonho Georgiano conseguiu 67 lugares no Parlamento, o MNU 27 e a Aliança dos Patriotas seis. Faltam atribuir mais 50 lugares, que devem ser ganhos em grande maioria pelo partido no poder, que vai assim formar governo e fazer passar emendas constitucionais.

Pela primeira vez na história do país um pequeno partido pró-russo, Aliança dos Patriotas, vai chegar ao Parlamento.

No total, 19 partidos, seis formações e 816 candidatos disputaram os votos de 3,5 milhões de eleitores para 150 lugares no parlamento.

A vitória esmagadora do Sonho Georgiano nas anteriores legislativas em 2012 pôs termo a uma década de poder do MNU.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.