Abolição da política de filho único trará mais 3 milhões de bebés por ano

Cerca de metade das mulheres que agora estão autorizadas a ter um segundo filho tem entre 40 e 49 anos

O vice-ministro da Comissão Nacional da Saúde e Planeamento Familiar chinês, Wang Peina, calculou hoje em mais de três milhões os bebés a nascerem anualmente na China depois da abolição da política de "um casal, um filho".

A medida, anunciada no mês passado pelo Comité Central do Partido Comunista Chinês (PCC), visa travar a crescente pressão na economia imposta pelo rápido envelhecimento da sociedade.

Trata-se de um alargamento da flexibilização da política de filho único, iniciada em 2014 e que permitia aos casais em que ambos os cônjuges são filhos únicos terem uma segunda criança.

Mais 90 milhões de mulheres passam assim a estar autorizadas a ter um segundo filho, mas, cerca de metade tem entre 40 e 49 anos, o que poderá "constituir um limite ao seu desejo ou capacidade para ter outra criança", lembrou Wang.

Algumas poderão sentir-se "relutantes", enquanto outras "não estarão aptas a dar à luz", explicou.

Em Pequim, apenas 10% dos casais se inscreveu para ter um segundo filho, desde que, no ano passado, a liderança chinesa decidiu aliviar a política, imposta em 1980.

No conjunto, até 2050, a abolição poderá acrescentar 30 milhões de pessoas à população em idade ativa, afirmou Wang.

"A curto prazo, a política de dois filhos por casal irá guiar o consumo de habitação, educação, saúde, economia doméstica e necessidades do dia-a-dia, estimular o investimento em setores relacionados e aumentar a oferta de emprego", acrescentou.

O mesmo responsável referiu ainda que a medida deverá resultar num aumento de 0,5% na taxa de crescimento económico.

Pelas contas do Governo, sem a política de "um casal, um filho", em vez de cerca de 1.350 milhões de habitantes, a China teria hoje quase 1.700 milhões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...