Abolição da política de filho único trará mais 3 milhões de bebés por ano

Cerca de metade das mulheres que agora estão autorizadas a ter um segundo filho tem entre 40 e 49 anos

O vice-ministro da Comissão Nacional da Saúde e Planeamento Familiar chinês, Wang Peina, calculou hoje em mais de três milhões os bebés a nascerem anualmente na China depois da abolição da política de "um casal, um filho".

A medida, anunciada no mês passado pelo Comité Central do Partido Comunista Chinês (PCC), visa travar a crescente pressão na economia imposta pelo rápido envelhecimento da sociedade.

Trata-se de um alargamento da flexibilização da política de filho único, iniciada em 2014 e que permitia aos casais em que ambos os cônjuges são filhos únicos terem uma segunda criança.

Mais 90 milhões de mulheres passam assim a estar autorizadas a ter um segundo filho, mas, cerca de metade tem entre 40 e 49 anos, o que poderá "constituir um limite ao seu desejo ou capacidade para ter outra criança", lembrou Wang.

Algumas poderão sentir-se "relutantes", enquanto outras "não estarão aptas a dar à luz", explicou.

Em Pequim, apenas 10% dos casais se inscreveu para ter um segundo filho, desde que, no ano passado, a liderança chinesa decidiu aliviar a política, imposta em 1980.

No conjunto, até 2050, a abolição poderá acrescentar 30 milhões de pessoas à população em idade ativa, afirmou Wang.

"A curto prazo, a política de dois filhos por casal irá guiar o consumo de habitação, educação, saúde, economia doméstica e necessidades do dia-a-dia, estimular o investimento em setores relacionados e aumentar a oferta de emprego", acrescentou.

O mesmo responsável referiu ainda que a medida deverá resultar num aumento de 0,5% na taxa de crescimento económico.

Pelas contas do Governo, sem a política de "um casal, um filho", em vez de cerca de 1.350 milhões de habitantes, a China teria hoje quase 1.700 milhões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.