Abandonadas buscas para encontrar alpinistas desaparecidos nos Alpes

Os alpinistas, quatro alemães, dois austríacos e dois suíços, desapareceram em Piz Cengalo, a 3369 metros de altitude

As buscas para encontrar os oito alpinistas que desapareceram quarta-feira num deslizamento de terras e rochas nos Alpes suíços foram abandonadas, anunciou hoje a polícia suíça.

"Nós fizemos tudo o que era possível para os encontrar", disse o responsável pelos socorros, Andrea Mittner, enquanto Sandra Scianguetta, porta-voz da polícia suíça do Cantão de Grisons (sudoeste), afirmou à agência AFP que "as buscas foram abandonadas".

Os alpinistas - quatro alemães, dois austríacos e dois suíços -, desapareceram em Piz Cengalo, a 3.369 metros de altitude, depois de terem sido apanhados por um deslizamento de terras e rochas que ocorreu na manhã de quarta-feira e atingiu uma velocidade de 250 quilómetros por hora.

O deslizamento de terras e rochas levou tudo à sua frente, como uma avalancha, tendo destruído à sua passagem parte da aldeia de Bondo, perto da fronteira com a Itália.

"Não pudemos encontrar ninguém", lamentou Mittner, citado pelos media suíços.

Cerca de 120 socorristas, polícias, bombeiros e militares ajudados por cães e com equipamento especial para salvamento deram por terminada a operação de buscas dos oito alpinistas desaparecidos.

As autoridades decretaram uma zona de exclusão aérea com um raio de cinco quilómetros para facilitar o trabalho das equipas de buscas.

O acidente aconteceu na quarta-feira às 09:30 locais (08:30 em Lisboa): uma massa de terra e rocha de quatro milhões de metros cúbicos destacou-se da encosta de Piz Cengalo e resvalou em direção ao vale, junto à pequena aldeia de Bondo, provocando a tragédia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.