A "última marcha" dos guerrilheiros das FARC

Presidente colombiano diz que mais de 4600 guerrilheiros já estão nas zonas criadas para a desmobilização.

O Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, assegurou na quarta-feira que 4670 guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) já estão nas zonas transitórias de normalização onde passarão os próximos seis meses até entregarem armas e desmobilizarem.

"São 4670 os membros das FARC que já estão nos centros, faltam 1450", disse o chefe de Estado durante a inauguração do Centro de Eventos Expofuturo de Pereira.

O Governo colombiano e as FARC assinaram no passado dia 24 de novembro em Bogotá um acordo de paz que pôs fim a mais de meio século de conflito. O Congresso já aprovou várias leis que permitem começar a implementar o acordo revisto - o original foi recusado pelos colombianos num referendo, menos de uma semana antes de Santos ser galardoado com o Prémio Nobel da Paz.

Fruto desse acordo, mais de 6300 guerrilheiros das FARC vão chegar ao longo desta semana às zonas transitórias como passo prévio para a desmobilização, naquela que é conhecida como a "última marcha" da guerrilha.

Apesar de se manifestar otimista com os desenvolvimentos conseguidos após o acordo de paz, Santos alertou para os desafios do pós-conflito e da implementação do acordado.

"Temos um desafio enorme na implementação dos acordos, que vai ser tão difícil quanto o próprio processo ", afirmou.

Na "última marcha", os guerrilheiros estão a deslocar-se de barco, autocarros e a pé através da selva e das montanhas para os 26 campos de desmobilização, acompanhados por oficiais das Nações Unidas (que serão responsáveis pela recolha das armas) e do governo.

A desmobilização marca o fim de mais de 52 anos de guerra. Fundada em 1964 para lutar pela reforma agrária e igualdade de rendimentos, a guerrilha das FARC chegou a estar presente em quase metade do território colombiano. A guerra fez mais de 220 mil mortos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.