A primeira prisão foi há 38 anos como sindicalista

No dia 19 de abril de 1980, a polícia do regime militar deteve Lula por 31 dias. Entrou na cadeia líder sindical, saiu político.

Lula da Silva tinha 34 anos e Sergio Moro apenas sete quando o então presidente do sindicato dos metalúrgicos do ABC, região composta pelas cidades que compõem a sigla - Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul -, foi detido pelo DOPS, a polícia política ao serviço do regime militar que vigorava no Brasil naquele dia 19 de abril de 1980.

Em causa estavam as greves consecutivas promovidas por Lula desde o ano de 1978 e que alastraram para quase todos os estados do país. Em 1979, o sindicalista que chegaria à presidência da República 24 anos depois, paralisou as fábricas durante 15 dias; em 1980, durante 45. Foi nessa altura que o DOPS resolveu intervir, prendendo, processando e condenando Lula da Silva e outros sindicalistas no âmbito da lei de segurança nacional. Depois de 31 dias detido, o líder sindical foi solto mas sem permissão para continuar a presidir ao sindicato.

Essa medida acabou por estar na origem da criação do Partido dos Trabalhadores (PT) e da carreira política de Lula: em 1980, com sindicalistas, intelectuais e representantes dos movimentos sociais, fundou o partido, em 1982 concorreu ao cargo de governador do estado de São Paulo, em 1986 foi o deputado federal mais votado do país, concorreu à presidência da República em 1989, 1994 e 1998, perdendo para Collor de Mello (em 1989) e Fernando Henrique Cardoso (tanto em 1994 como em 1998), mas acabou eleito em 2002 e reeleito em 2006.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.