A popularidade de Salvini cresce, a ponte de Génova vai ser demolida

As sondagens mostram um crescimento significativo no apoio ao vice-primeiro-ministro e líder da Liga Norte, de extrema-direita. Consequência da queda do viaduto de Génova, que uma comissão do Governo quer demolir para evitar novo desastre

No sábado, durante o funeral das 43 vítimas mortais da queda de parte do viaduto rodoviário de Génova, Matteo Salvini, o líder da Liga Norte, e número dois do Governo italiano que junta os nacionalistas de extrema-direita ao movimento 5 Estrelas, foi cumprimentado com simpatia pela multidão que homenageava os mortos. Hoje, esse apoio simbólico mostra-se nas sondagens. A Liga Norte recolhe quase o dobro das intenções de voto (30%) que tinha em março (17%).

O efeito da tragédia do viaduto de Génova parece ser a causa mais próxima para este crescimento da popularidade de Salvini - o vice-primeiro-ministro que tem dado voz à xenofobia anti-refugiados, recusando-se a dar asilo e sequer a permitir que os barcos de refugiados que procuram os portos italianos possam atracar.

Desde o dia 14, quando parte do tabuleiro do viaduto ruiu, o Governo italiano tem procurado dar uma resposta que parece ser valorizada pelos eleitores. A comissão que o ministério das infraestruturas nomeou para avaliar as causas do acidente considerou agora necessária a demolição dos restos da estrutura, para evitar nova derrocada.

Num relatório enviado ao Governo, a comissão considera que existe "uma situação de perigo" num dos pilares do viaduto, que está "em risco de derrocada".

Essa tem sido também a posição do presidente da região da Ligúria, Giovanni Toti, que assegura que só com a demolição do que resta do viaduto se pode "garantir a segurança" daquela zona da cidade.

500 milhões para a reconstrução

Com cerca de 600 desalojados, que viviam em prédios na zona do viaduto, e uma repercussão internacional do acidente, o Governo acusa a concessionária do viaduto, a Autoestrade per l"Italia, de ser a responsável pela falta de manutenção da estrutura. Mas o Governo italiano anterior também, sabe-se agora, fora informado dos riscos que corria a estrutura rodoviária.

A empresa concessionária já avançou a disponibilidade de gastar 500 milhões de euros na reconstrução do viaduto, obra que prevê realizar em oito meses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).