A noite em que Trump (representado por Alec Baldwin) ganhou um Emmy

A política dominou a cerimónia de entrega dos prémios de televisão, com direito a uma surpresa chamada Sean Spicer

Durante os sete anos em que o The Apprentice esteve no ar, o reality show produzido e apresentado Donald Trump foi nomeado para oito Emmys. Nunca ganhou um e em várias ocasiões o atual presidente dos EUA criticou os prémios de televisão por isso. Este ano, não estando nomeado, Trump acabou por dominar a cerimónia, desde o monólogo inicial de Stephen Colbert - que incluiu a presença do ex-porta-voz da Casa Branca Sean Spicer - aos discursos dos vencedores. Alec Baldwin foi distinguido pela imitação que faz de Trump para o Saturday Night Live e disse, após a vitória: "Acho que devia dizer, finalmente Sr. Presidente, aqui está o seu Emmy."

Colbert, que se estreou a na apresentação desta cerimónia, começou por dizer que Trump foi provavelmente "a maior estrela de televisão" do ano, influenciando todas as produções de algum modo - e brincou dando o exemplo de American Horror Story. Depois, sugeriu que Trump poderia não ter concorrido à presidência se lhe tivessem dado um Emmy: "Por isso, de certa forma, isto é culpa vossa." No final do monólogo, apareceu Spicer num pódio rolante: "Esta vai ser a maior audiência de sempre dos Emmys, ponto final!", brincou o ex-porta-voz, que em janeiro repreendeu os jornalistas que questionaram o número de pessoas que assistiram à tomada de posse de Trump. Spicer demitiu-se em julho.

Mas a surpresa não agradou a todos - a própria Melissa McCarthy (que ganhou um Emmy pela sua imitação de Spicer no Saturday Night Live) pareceu incomodada. No Twitter, outros atores não pouparam críticas: "Não estou pronto para rir "com" Spicer. Acho que ele é um mentiroso maléfico e oportunista que prejudicou o nosso país", escreve o ator, comediante e produtor Zach Braff. Já o ator Kal Penn, que esteve ligado à Administração de Barack Obama, lembrou que o ex-porta-voz de Trump continua a ser a mesma pessoa que "fez uma apaixonada defesa contra os direitos humanos, os cuidados de saúde e os valores americanos".

Nos bastidores, Alec Baldwin defendeu Spicer. "Acho que as pessoas neste negócio, a maioria das pessoas, está-lhe grata por ter sentido de humor e participar. Spicer foi obviamente forçado a fazer certas coisas que nós não respeitamos ou admiramos para fazer o seu trabalho. Mas também fiz trabalhos que outras pessoas também não iriam admirar ou não me iriam respeitar. Temos isso em comum, acho."

O Saturday Night Live venceu nove prémios (estava nomeado para 22), arrecadando quatro na cerimónia da madrugada de segunda-feira. Os vencedores da noite foram contudo The Handmaid"s Tale (série baseada no livro de Margaret Atwood que ainda não estreou em Portugal), que além de Melhor Série Dramática venceu o prémio de Melhor Atriz (Elisabeth Moss) e outros seis galardões; e Big Little Lies (TV Séries), que venceu oito estatuetas, incluindo Melhor Minissérie e Melhor Atriz para Nicole Kidman. Veep (TV Series) venceu pela terceira vez Melhor Série de Comédia e a protagonista, Julia Louis-Dreyfus, conquistou o sexto Emmy consecutivo.

Ainda com uma nota política, Donald Glover tornou-se no primeiro realizador negro a vencer na categoria de Comédia por Atlanta, vencendo também na categoria de Melhor Ator. "Quero agradecer ao Trump por tornar os negros nos primeiros da lista dos mais oprimidos. É provavelmente a única razão pela qual estou aqui", afirmou após vencer o segundo prémio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.