A noite em que Trump (representado por Alec Baldwin) ganhou um Emmy

A política dominou a cerimónia de entrega dos prémios de televisão, com direito a uma surpresa chamada Sean Spicer

Durante os sete anos em que o The Apprentice esteve no ar, o reality show produzido e apresentado Donald Trump foi nomeado para oito Emmys. Nunca ganhou um e em várias ocasiões o atual presidente dos EUA criticou os prémios de televisão por isso. Este ano, não estando nomeado, Trump acabou por dominar a cerimónia, desde o monólogo inicial de Stephen Colbert - que incluiu a presença do ex-porta-voz da Casa Branca Sean Spicer - aos discursos dos vencedores. Alec Baldwin foi distinguido pela imitação que faz de Trump para o Saturday Night Live e disse, após a vitória: "Acho que devia dizer, finalmente Sr. Presidente, aqui está o seu Emmy."

Colbert, que se estreou a na apresentação desta cerimónia, começou por dizer que Trump foi provavelmente "a maior estrela de televisão" do ano, influenciando todas as produções de algum modo - e brincou dando o exemplo de American Horror Story. Depois, sugeriu que Trump poderia não ter concorrido à presidência se lhe tivessem dado um Emmy: "Por isso, de certa forma, isto é culpa vossa." No final do monólogo, apareceu Spicer num pódio rolante: "Esta vai ser a maior audiência de sempre dos Emmys, ponto final!", brincou o ex-porta-voz, que em janeiro repreendeu os jornalistas que questionaram o número de pessoas que assistiram à tomada de posse de Trump. Spicer demitiu-se em julho.

Mas a surpresa não agradou a todos - a própria Melissa McCarthy (que ganhou um Emmy pela sua imitação de Spicer no Saturday Night Live) pareceu incomodada. No Twitter, outros atores não pouparam críticas: "Não estou pronto para rir "com" Spicer. Acho que ele é um mentiroso maléfico e oportunista que prejudicou o nosso país", escreve o ator, comediante e produtor Zach Braff. Já o ator Kal Penn, que esteve ligado à Administração de Barack Obama, lembrou que o ex-porta-voz de Trump continua a ser a mesma pessoa que "fez uma apaixonada defesa contra os direitos humanos, os cuidados de saúde e os valores americanos".

Nos bastidores, Alec Baldwin defendeu Spicer. "Acho que as pessoas neste negócio, a maioria das pessoas, está-lhe grata por ter sentido de humor e participar. Spicer foi obviamente forçado a fazer certas coisas que nós não respeitamos ou admiramos para fazer o seu trabalho. Mas também fiz trabalhos que outras pessoas também não iriam admirar ou não me iriam respeitar. Temos isso em comum, acho."

O Saturday Night Live venceu nove prémios (estava nomeado para 22), arrecadando quatro na cerimónia da madrugada de segunda-feira. Os vencedores da noite foram contudo The Handmaid"s Tale (série baseada no livro de Margaret Atwood que ainda não estreou em Portugal), que além de Melhor Série Dramática venceu o prémio de Melhor Atriz (Elisabeth Moss) e outros seis galardões; e Big Little Lies (TV Séries), que venceu oito estatuetas, incluindo Melhor Minissérie e Melhor Atriz para Nicole Kidman. Veep (TV Series) venceu pela terceira vez Melhor Série de Comédia e a protagonista, Julia Louis-Dreyfus, conquistou o sexto Emmy consecutivo.

Ainda com uma nota política, Donald Glover tornou-se no primeiro realizador negro a vencer na categoria de Comédia por Atlanta, vencendo também na categoria de Melhor Ator. "Quero agradecer ao Trump por tornar os negros nos primeiros da lista dos mais oprimidos. É provavelmente a única razão pela qual estou aqui", afirmou após vencer o segundo prémio.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."