"A Maëlys vai assombrar-te noite e dia na prisão"

Mãe envia recado para o homem que confessou ter matado a lusodescendente de nove anos.

Jennifer de Araújo, a mãe da lusodescendente de 9 anos que estava desaparecida desde agosto e cujo corpo foi ontem encontrado, escreveu uma mensagem no Facebook dirigida ao asssassino confesso da filha: "A Maëlys vai assombrar-te noite e dia na prisão."

Pouco depois das 21h30, a mãe de Maëlys publicou um curto texto na rede social, no qual se dirige não só a Nordahl Lelandais, que confessou ter matado a criança de forma involuntária, mas também à própria filha. O texto suscitou já quase 90 mil reações e mais de 43 mil partilhas.

"Foi preciso esperar cinco meses e meio para que este monstro finalmente falasse. Tu, assassino da minha filha: a Maëlys vai assombrar-te noite e dia na prisão até que morras e vás para o inferno. A Maëlys tinha a vida toda diante dela e tu destruiste-a, nunca mais a vamos ver por culpa tua, não vou poder segurá-la mais nos meus braços e dizer-lhe o quanto a amo", diz o início da mensagem, dirigida a Nordahl Lelandais, que confessou a morte da menina e revelou a localização do cadáver.

"Meu pequeno anjo, não consegui proteger-te deste predador e essa culpa vai-me perseguir ainda muito tempo. Maëlys, estou tão orgulhosa de ti, tu és tão bonita assim a sorrir, tu és a minha maravilha, o meu raio de sol, estarás para sempre no meu coração", escreveu Jennifer de Araújo.

"Este monstro não fará mal a mais ninguém. Que a justiça seja feita e que nunca outra criança sofra tal ato", afirmou a mãe. "Sentimos muito a tua falta. Vamos levar o teu combate até ao fim, minha princesa. Quatro corações unidos pela vida para sempre", termina a mensagem.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.