A luta de uma família em tempos de crise

Sete anos depois de a Grécia mergulhar numa profunda crise económica, aqueles que vivem no limiar da pobreza foram duramente atingidos. A família Argyros é um exemplo emblemático da pobreza na Grécia após anos de austeridade exigida pelos credores internacionais do país.

Cinco anos depois de terem trocado a sua árida ilha de Leros, no mar Egeu, por Atenas, estão presos num círculo vicioso de desemprego e dívidas.

Kostas Argyros, 35 anos, só consegue trabalhos ocasionais como faz-tudo e a sua mulher, Olga, de 30, enfermeira, está desempregada há quase uma década.

Vivem num pequeno apartamento de 49 metros quadrados com os seus quatro filhos pequenos e queimam madeira para aquecer a casa no inverno. A comida é cozinhada num pequeno fogão a gás e a água quente escasseia.

A única luz à noite é a do ecrã do televisor, com medo de acumular ainda mais dívidas. Lâmpadas de cinco watts dão uma luz turva. A vida com que sonhavam parece cada vez mais distante. "Viemos para cá para ter um futuro melhor", diz Olga. "Mas as coisas vão de mal a pior."

A Grécia está no terceiro resgate internacional desde 2010, lutando para controlar a enorme dívida que deixou o país à beira de ser expulso da zona euro.

Em troca do dinheiro, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional exigiram austeridade orçamental, com mais de uma dúzia de cortes nas pensões.

Um quarto da população ativa está desempregada e cerca de um terço vive na pobreza.

Jornalista da Reuters

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.