A luta de uma família em tempos de crise

Sete anos depois de a Grécia mergulhar numa profunda crise económica, aqueles que vivem no limiar da pobreza foram duramente atingidos. A família Argyros é um exemplo emblemático da pobreza na Grécia após anos de austeridade exigida pelos credores internacionais do país.

Cinco anos depois de terem trocado a sua árida ilha de Leros, no mar Egeu, por Atenas, estão presos num círculo vicioso de desemprego e dívidas.

Kostas Argyros, 35 anos, só consegue trabalhos ocasionais como faz-tudo e a sua mulher, Olga, de 30, enfermeira, está desempregada há quase uma década.

Vivem num pequeno apartamento de 49 metros quadrados com os seus quatro filhos pequenos e queimam madeira para aquecer a casa no inverno. A comida é cozinhada num pequeno fogão a gás e a água quente escasseia.

A única luz à noite é a do ecrã do televisor, com medo de acumular ainda mais dívidas. Lâmpadas de cinco watts dão uma luz turva. A vida com que sonhavam parece cada vez mais distante. "Viemos para cá para ter um futuro melhor", diz Olga. "Mas as coisas vão de mal a pior."

A Grécia está no terceiro resgate internacional desde 2010, lutando para controlar a enorme dívida que deixou o país à beira de ser expulso da zona euro.

Em troca do dinheiro, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional exigiram austeridade orçamental, com mais de uma dúzia de cortes nas pensões.

Um quarto da população ativa está desempregada e cerca de um terço vive na pobreza.

Jornalista da Reuters

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.