"A Irlanda está preparada para o pior mas trabalha para o melhor"

Para a ministra dos Assuntos Europeus Helen McEntee, a Irlanda passou por reformas sociais que fazem dela uma sociedade mais aberta e preocupada. Quanto à descriminalização do aborto, votada há 3 semanas, diz não significar perda de influência da religião.

Em Lisboa para um encontro com a secretária de Estado Ana Paula Zacarias, a ministra dos Assuntos Europeus irlandesa, Helen McEntee, fala ao DN sobre a necessidade de manter "invisível" a fronteira com a Irlanda do Norte depois da saída do Reino Unido da União Europeia.

A fronteira irlandesa é o maior obstáculo ao acordo do brexit, acredita que se vai resolver da melhor forma para todos?

Espero que sim. E claro que estamos a trabalhar nesse sentido. A questão da fronteira irlandesa é um desafio porque, em si, é um assunto complexo. Estamos a falar de uma fronteira essencialmente invisível. Temos 500 quilómetros de terra com uns 208 pontos de passagem. A única razão para esta fronteira ser invisível é a Irlanda do Norte e a Irlanda fazerem ambas parte do mercado comum e da união aduaneira devido à sua pertença à União Europeia. Temos de trabalhar em conjunto para resolver os desafios. É muito importante que o governo britânico tenha dito desde o início que quer evitar uma fronteira rígida [hard border], comprometendo-se a evitar quaisquer controlos, barreiras ou tarifas. E estão empenhados em respeitar o processo de paz de que são uma parte fundamental.

Vinte anos depois de ter sido assinado, diria que o Acordo de Sexta-Feira Santa está em risco?

Diria que é frágil. Quando vamos à Irlanda do Norte e vemos crianças ainda em escolas separadas, vemos comunidades a viver separadas, vemos os fundos europeus a apoiarem organizações que só agora estão a trabalhar com comunidades que começam a lidar com o que aconteceu, só nessa altura percebemos como o acordo é frágil. E como um regresso a uma fronteira física pode ter impacto na vida das pessoas. É muito importante que não permitamos que isso aconteça. O que temos de fazer é trabalhar para uma solução. Antes do Natal concordámos na forma de alcançar essa solução. Mas desde então obviamente o Reino Unido e a UE têm tido visões diferentes sobre a forma como esse acordo se pode transferir para o papel, num texto funcional e legalmente operacional. O que temos de fazer antes de outubro é acordar essa forma de transferência do acordo. Temos alguns encontros agendados para a próxima semana, temos dito de forma consistente que queremos ver progressos antes do verão. Infelizmente parece cada vez menos provável que isso aconteça. O tempo não está do nosso lado, se o Reino Unido quer mesmo sair em março do próximo ano. Eles têm pela frente um longo processo no parlamento e os outros Estados-membros também terão de avançar com o processo nos seus parlamentos.

Dublin está preparada todos os cenários, até o pior?

Estamos preparados para todos os cenários desde o primeiro dia. O nosso primeiro-ministro na altura, Enda Kenny, criou um grupo transpartidário e transministerial para olhar para o que cada departamento tinha de fazer. Cada sector tem entretanto analisado as suas necessidades em todos os cenários - do melhor ao pior. Têm estado a avaliar o que precisam se houver mudanças nas regulações, nos apoios financeiros, na legislação, etc Estamos preparados para o pior mas a trabalhar politicamente para o melhor [cenário do brexit]. É assim que temos de abordar a questão.

A reunificação da Irlanda está a ganhar apoios segundo as últimas sondagens. É uma opção em cima da mesa?

Para o governo irlandês, não. E sim, as sondagens reveladas no fim de semana mostram um maior apoio por parte dos habitantes da Irlanda do Norte à reunificação. Se houvesse nova votação no Norte sobre o brexit, um número muito mais elevados de pessoas votaria pela permanência. Mas para nós na Irlanda a reunificação não está na agenda. O foco é o brexit e conseguir o melhor acordo possível para os nossos cidadãos, no Norte e no Sul. Um dos grandes desafios é que não temos um governo funcional na Irlanda do Norte e isso já dura há algum tempo.

A sociedade irlandesa mudou muito nos últimos anos. Têm uma primeiro-ministro jovem, de ascendência indiana e assumidamente gay. Aprovou o casamento gay e há três semanas legalizou o aborto. A velha Irlanda muito católica já não existe?

A Irlanda está claramente a mudar. E fez várias reformas sociais nos últimos 20 anos. Primeiro permitiu o divórcio, há três anos o casamento entre pessoas do mesmo sexo, agora o referendo para descriminalizar o aborto. O que mostra que somos uma sociedade moderna, aberta, que se preocupa e ouve as necessidades dos cidadãos. O referendo do aborto surgiu na sequência da criação de uma Assembleia de Cidadãos. Esta junta pessoas de todas as origens e idades e pergunta o que querem que o governo trate, o que querem ver mudado na Constituição. É uma ferramenta muito prática. Eu, pessoalmente, fiquei muito feliz com o resultado do referendo ao aborto. Era uma mudança necessária. Mas não acho que signifique que a crença das pessoas está a mudar ou que a religião tenha desaparecido na Irlanda. Ainda há um sentido religioso forte nas comunidades.

Na Europa, o brexit não é o único desafio. Os refugiados são outro. Qual a posição da Irlanda sobre as novas propostas para os travar antes de chegarem à Europa?

Compreendemos que estamos no extremo mais afastado do problema devido à nossa posição geográfica. Também pelo nosso tamanho e falta de capacidade para dar o apoio necessário a milhões de pessoas que têm chegado aos Estados-membros maiores da UE, os que têm sofrido um impacto maior. Mas queremos ver cooperação e solidariedade entre Estados-membros em apoio aos mais afetados. Temos uma voz em Bruxelas e temos de a usar para ter impacto. Além disso a Irlanda tem uma longa tradição de manutenção de paz que nos orgulha. A nossa marinha tem estado a dar apoio no Mediterrâneo e esperamos poder continuar a fazê-lo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.