A gafe do chefe da diplomacia britânica. Hunt já pediu desculpas à China... e à mulher

Jeremy Hunt confundiu a nacionalidade da mulher e disse que esta era "japonesa". A ideia era causar boa impressão em Pequim, mas confundiu o país com os vizinhos (e muitas vezes rivais). Lucia Hunt também não terá gostado da confusão

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico Jeremy Hunt, que está a substituir Boris Johnson desde o início deste mês, está na China numa visita oficial para discutir acordos comerciais pós-brexit. Quis cair nas boas graças dos anfitriões e, durante uma reunião, disse que a sua mulher era japonesa, retificando o erro de seguida para "é chinesa, desculpem".

A gafeprovocou uma gargalhada na sala, mas Hunt já publicou uma mensagem no Twitter em que pede desculpas não só à China como também à mulher, Lucia Hunt.

Hunt apercebeu-se logo do engano e disse que era "um erro terrível de se cometer", mas a confusão acabou por se tornar viral, o que o levou a explicar-se na rede social Twitter, onde pede desculpa à mulher.

Hunt estava em reunião com a sua homóloga chinesa Wang Yi, e, segundo o próprio, "falaram em japonês no banquete de estado", o que o levou a cometer o engano perante vários dignitários chineses.

"Regra número 1 quando se é o novo ministro dos Negócios Estrangeiros: quando refletir em inglês com chineses sobre uma conversa que se teve em japonês sobre a nossa mulher chinesa, não confundir ambas [as nacionalidades]. As minhas desculpas à Sra. H ...!", escreveu o chefe da diplomacia britânica.

Lucia Hunt nasceu em Xian, na região central da China. Segundo a BBC, o casal conheceu-se em 2008, quando a mulher trabalhava na Universidade de Warwick. Casaram em 2009 e têm três filhos.

O mais grave do lapso, recorda a BBC, é que China e Japão são países considerados "eternos rivais". "De todos os países para se confundir, o Japão é provavelmente o pior", lê-se no artigo da jornalista e ex-correspondente da BBC em Hong Kong, Helier Cheung.

Entre as gerações mais antigas da China, há muitas pessoas que não compram produtos japoneses e nem sequer visitam o país: acusam o Japão de minimizar as atrocidades cometidas durante a guerra.

Jeremy Hunt fala japonês e trabalhou no Japão - salientou que falou com Wang em japonês - o que pode explicar a confusão. No entanto, o erro foi considerado "lamentável".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.