A gafe do chefe da diplomacia britânica. Hunt já pediu desculpas à China... e à mulher

Jeremy Hunt confundiu a nacionalidade da mulher e disse que esta era "japonesa". A ideia era causar boa impressão em Pequim, mas confundiu o país com os vizinhos (e muitas vezes rivais). Lucia Hunt também não terá gostado da confusão

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico Jeremy Hunt, que está a substituir Boris Johnson desde o início deste mês, está na China numa visita oficial para discutir acordos comerciais pós-brexit. Quis cair nas boas graças dos anfitriões e, durante uma reunião, disse que a sua mulher era japonesa, retificando o erro de seguida para "é chinesa, desculpem".

A gafeprovocou uma gargalhada na sala, mas Hunt já publicou uma mensagem no Twitter em que pede desculpas não só à China como também à mulher, Lucia Hunt.

Hunt apercebeu-se logo do engano e disse que era "um erro terrível de se cometer", mas a confusão acabou por se tornar viral, o que o levou a explicar-se na rede social Twitter, onde pede desculpa à mulher.

Hunt estava em reunião com a sua homóloga chinesa Wang Yi, e, segundo o próprio, "falaram em japonês no banquete de estado", o que o levou a cometer o engano perante vários dignitários chineses.

"Regra número 1 quando se é o novo ministro dos Negócios Estrangeiros: quando refletir em inglês com chineses sobre uma conversa que se teve em japonês sobre a nossa mulher chinesa, não confundir ambas [as nacionalidades]. As minhas desculpas à Sra. H ...!", escreveu o chefe da diplomacia britânica.

Lucia Hunt nasceu em Xian, na região central da China. Segundo a BBC, o casal conheceu-se em 2008, quando a mulher trabalhava na Universidade de Warwick. Casaram em 2009 e têm três filhos.

O mais grave do lapso, recorda a BBC, é que China e Japão são países considerados "eternos rivais". "De todos os países para se confundir, o Japão é provavelmente o pior", lê-se no artigo da jornalista e ex-correspondente da BBC em Hong Kong, Helier Cheung.

Entre as gerações mais antigas da China, há muitas pessoas que não compram produtos japoneses e nem sequer visitam o país: acusam o Japão de minimizar as atrocidades cometidas durante a guerra.

Jeremy Hunt fala japonês e trabalhou no Japão - salientou que falou com Wang em japonês - o que pode explicar a confusão. No entanto, o erro foi considerado "lamentável".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.