"A era da paciência estratégica acabou", diz conselheiro de Segurança de Trump

Estas palavras contrastam com o discurso habitual do secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, que até agora defendeu a procura de soluções diplomáticas

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, H.R. McMaster, declarou este sábado que os tempos de "paciência estratégica" acabaram e que o Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciará brevemente uma nova estratégia para aumentar "a influência externa" do país.

"Em breve, o Presidente revelará os pormenores da sua nova estratégia, e posso dizer-vos que se centrará em proteger o nosso território, aumentar a nossa prosperidade, preservar a paz através da força e, finalmente, aumentar a influência dos Estados Unidos", disse McMaster.

O tenente-general, que hoje falava na quinta edição do Fórum Anual Reagan sobre Segurança, realizado em Simi Valley, no estado da Califórnia, mostrou-se taxativo ao declarar que "a era da paciência estratégica acabou".

De acordo com o conselheiro, a intenção de Trump não é reduzir as medidas de segurança nacional, nem uma "ideologia rígida", mas a defesa da "essência dos interesses nacionais".

Estas palavras contrastam com o discurso habitual do secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, que até agora defendeu a procura de soluções diplomáticas para a crescente tensão entre os Estados Unidos e países como a Coreia do Norte e o Irão.

Foi precisamente essa postura conciliadora do responsável da pasta dos Assuntos Exteriores que lhe custou uma série de desencontros com Trump, que na sexta-feira pôs fim a rumores sobre a saída de Tillerson que ele próprio alimentara na véspera.

"São notícias falsas", escreveu o Presidente, na sua conta da rede social Twitter.

Contudo, o facto de o conselheiro de Segurança Nacional ter hoje acusado os regimes da Coreia do Norte e do Irão de "violar a soberania dos seus vizinhos" e "exportar o terror para outras nações" está muito distante do conciliador discurso habitualmente utilizado por Tillerson.

A mudança de estratégia a que McMaster se referiu poderá ser interpretada como a decisão do chefe de Estado de tomar uma nova direção na política externa que o afastará de forma definitiva do chefe da diplomacia norte-americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.