"A era da paciência estratégica acabou", diz conselheiro de Segurança de Trump

Estas palavras contrastam com o discurso habitual do secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, que até agora defendeu a procura de soluções diplomáticas

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, H.R. McMaster, declarou este sábado que os tempos de "paciência estratégica" acabaram e que o Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciará brevemente uma nova estratégia para aumentar "a influência externa" do país.

"Em breve, o Presidente revelará os pormenores da sua nova estratégia, e posso dizer-vos que se centrará em proteger o nosso território, aumentar a nossa prosperidade, preservar a paz através da força e, finalmente, aumentar a influência dos Estados Unidos", disse McMaster.

O tenente-general, que hoje falava na quinta edição do Fórum Anual Reagan sobre Segurança, realizado em Simi Valley, no estado da Califórnia, mostrou-se taxativo ao declarar que "a era da paciência estratégica acabou".

De acordo com o conselheiro, a intenção de Trump não é reduzir as medidas de segurança nacional, nem uma "ideologia rígida", mas a defesa da "essência dos interesses nacionais".

Estas palavras contrastam com o discurso habitual do secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, que até agora defendeu a procura de soluções diplomáticas para a crescente tensão entre os Estados Unidos e países como a Coreia do Norte e o Irão.

Foi precisamente essa postura conciliadora do responsável da pasta dos Assuntos Exteriores que lhe custou uma série de desencontros com Trump, que na sexta-feira pôs fim a rumores sobre a saída de Tillerson que ele próprio alimentara na véspera.

"São notícias falsas", escreveu o Presidente, na sua conta da rede social Twitter.

Contudo, o facto de o conselheiro de Segurança Nacional ter hoje acusado os regimes da Coreia do Norte e do Irão de "violar a soberania dos seus vizinhos" e "exportar o terror para outras nações" está muito distante do conciliador discurso habitualmente utilizado por Tillerson.

A mudança de estratégia a que McMaster se referiu poderá ser interpretada como a decisão do chefe de Estado de tomar uma nova direção na política externa que o afastará de forma definitiva do chefe da diplomacia norte-americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.