A cidade mexicana onde todos os polícias foram presos

Em Ocampo, no estado de Michoacán, todos os agentes da polícia foram detidos por suspeita de envolvimento na morte de um candidato a presidente da Câmara.

Na passada quinta-feira, Fernando Ángeles Juárez, de 64 anos, foi morto a tiro por um grupo de homens quando saia da sua casa. Empresário de sucesso sem experiência política prévia, o candidato à presidência da Câmara municipal de Ocampo, no estado mexicano de Michoacán, juntou-se assim à centena de políticos assassinados no México na campanha para as eleições de 1 de julho.

No domingo, os 27 agentes da polícia destacados para a cidade de Ocampo, bem como o responsável local pela segurança pública, foram detidos pela polícia federal por suspeita de envolvimento na morte de Fernando Ángeles Juárez.

Terceiro político morto no estado de Michoacán em menos de uma semana, Fernando Ángeles Juárez "não suportava ver a pobreza, desigualdade e corrupção por isso decidiu candidatar-se", explicou ao El Universal Miguel Malagón, um amigo do empresário.

Depois do assassínio, o Ministério Público mexicano acusou o responsável pela segurança pública de Ocampo, Oscar González García, de envolvimento no crime. Mas quando agentes federais chegaram à cidade para o deter, foram travados pela polícia da cidade. No dia seguinte voltaram com reforços e detiveram todos os polícias e o seu chefe.

Algemados, os agentes foram levados para interrogatório na capital do estado, Morelia. Todos foram acusados de ligações a grupos criminosos.

Os mexicanos vão a votos a 1 de julho para escolher o sucessor do presidente Enrique Peña Nieto mas também para escolher o novo Parlamento, os governadores dos estados e presidentes de Câmara.
​​​

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.