A candidata do primeiro-ministro perdeu as eleições, e ele demitiu-se

Primeiro-ministro búlgaro anunciou hoje a demissão, na sequência da derrota da candidata da maioria conservadora, nas presidenciais, ganhas pelo pelo opositor Rumen Radev. Agora vai haver legislativas antecipadas

"Amanhã [segunda-feira] ou depois de amanhã, apresentarei a minha demissão" ao parlamento, declarou à imprensa o chefe do governo, no poder desde outubro de 2014, cujo mandato ia até 2018.

"Os resultados mostram claramente que a coligação no poder não tem a maioria", acrescentou.

De acordo com sondagens à boca das urnas de três institutos, o antigo comandante das forças aéreas, de 53 anos, obteve entre 58,1% e 58,5% dos votos, contra entre 35,25% e 35,7% para a presidente do parlamento, Tsetska Tsatcheva, candidata da maioria no poder.

Três institutos de sondagens dão ao antigo comandante das forças aéreas, de 53 anos, entre 58,1% e 58,5% contra entre 35,25% e 35,7% para a presidente do parlamento, Tsetska Tsatcheva, candidata da maioria no poder.

No passado domingo, Radev venceu de forma inesperada, com quase 26% dos votos, a primeira volta das presidenciais para escolher o quinto presidente da Bulgária desde a queda do comunismo, em 1989.

Favorita nas primeiras sondagens, Tsatcheva, de 58 anos, candidata do partido no governo, Cidadãos para o Desenvolvimento Europeu da Bulgária (GERB), ficou em segundo lugar entre as duas dezenas de candidatos, com 22% dos votos.

Boyko Borisov tinha avisado que se Tsatcheva não ganhasse as presidenciais, apresentaria a demissão da chefia do governo, cenário que faria cair a atual coligação no poder e levaria o país a eleições legislativas antecipadas

"Cabe às pessoas decidirem: se pretendem uma crise política, terão uma crise política", afirmou o primeiro-ministro, no poder desde outubro de 2014, ao votar na capital búlgara.

A eleição do chefe de Estado, um cargo essencialmente protocolar na Bulgária, não implica a formação de um novo executivo.

Candidato independente, mas apoiado pelos socialistas (PSB, ex-comunista), Radev é considerado próximo de Moscovo e defendeu o fim das sanções europeias contra a Rússia, considerando que "a Crimeia (península ucraniana anexada pela Rússia em 2014) é de facto russa".

O novo chefe de Estado é eleito para um mandato de cinco anos e sucede a Rossen Plevneliev, saído do partido no poder, que se distinguiu pelas críticas ao Presidente russo, Vladimir Putin.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.