A barragem da discórdia entre os governos do Egito e da Etiópia

Cairo e Addis Abeba estão em rota de colisão. A causa é a construção de uma enorme barragem que as autoridades etíopes consideram essencial para o desenvolvimento do país

É um projeto ambicioso da Etiópia - a construção daquela que será a sétima maior barragem no mundo e a maior em África. Construída no principal afluente do rio Nilo, o Nilo Azul, o projeto está a originar tensões entre o Cairo e Addis Abeba sobre a futura partilha de um recurso da maior importância na região: a água. O que motivou um encontro ao mais alto nível na última quinta-feira entre o presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi, e o primeiro-ministro etíope, Hailemariam Desalegn, em que ficaram claras, mais uma vez, as divergências.

O presidente Al-Sissi expressou "extrema preocupação" por aquilo que pode resultar para o Egito da construção da barragem, enquanto Desalegn garantiu que a Etiópia "nunca causará qualquer dano" ao povo egípcio. O objetivo de Addis Abeba é "garantir uma vida decente para todos os filhos do Nilo" e, para isso, é fundamental a construção da barragem para a produção de energia elétrica, o desenvolvimento da agricultura de irrigação e melhor gestão dos recursos hídricos. Segundo um estudo de 2009 do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola das Nações Unidas, a "Etiópia perde por ano dois mil milhões de toneladas de terreno fértil devido à degradação dos solos".

Noutro plano, Addis Abeba espera vender eletricidade a países vizinhos, como a Eritreia, o Sudão do Sul, o Djibuti e o Quénia. Também no plano interno, a produção de energia é fundamental para uma das economias que mais tem crescido a nível mundial nos últimos anos. Em 2017, cresceu 9%.

Desde março de 2011, quando foi anunciado o projeto, que o governo do Cairo afirma que a barragem irá reduzir os mais de 56 mil milhões de metros cúbicos de água por ano que utiliza do Nilo. Estimativas oficiais referem que o consumo médio per capita irá cair de 663 metros cúbicos para 582 metros cúbicos.

A importância do Nilo para o Egito pode aferir-se pelo facto de mais de 90% dos seus 98,5 milhões de habitantes viverem nas zonas ribeirinhas. O Cairo insiste na realização de um estudo sobre o impacto real da barragem, estando em curso negociações, mas a ritmo lento.

Em 2015, foi assinado um acordo entre o Egito, a Etiópia e o Sudão sobre a partilha de recursos do Nilo, mas o Cairo tem mantido críticas àquilo que Addis Abeba chama a Grande Barragem do Renascimento Etíope.

Com um custo estimado em 4,2 mil milhões de dólares, o projeto foi financiado inteiramente por verbas nacionais e pela emissão de obrigações junto da comunidade etíope na diáspora. Além disso, todos os etíopes no país foram convidados a dar contribuições voluntárias. A oposição prefere falar em "pressões" e afirma que mesmo pessoas com baixos vencimentos tiveram de entregar uma parte destes para financiar o projeto. O governo de Addis Abeba nega a existência de qualquer tipo de pressões.

Não foi possível o financiamento internacional por Addis Abeba não ter contemplado os padrões ambientais na construção. Esta deve estar concluída em 2019, embora originalmente a data de conclusão fosse o corrente ano. Atualmente, os trabalhos decorrem 24 horas sobre 24 horas, em três turnos, mobilizando mais de 8500 pessoas.

O projeto não origina reticências só no Egito. A nível internacional, aquela que vai ser a maior barragem em África tem gerado críticas precisamente por causa do impacto ambiental que causará na região e ao modo como foi planeada, sem divulgação de muitos detalhes e com o governo de Addis Abeba a garantir, à medida que foram surgindo reparos, que não faria quaisquer alterações. E não o fez até agora, quando a construção está a 70%.

As tensões entre o Egito e a Etiópia têm igualmente raízes na história. Os dois países foram adversários em diferentes momentos; por outro lado, o Egito herdou a grande maioria dos direitos de utilização da água do Nilo por um tratado assinado no início do século XX entre Addis Abeba e Londres, que era então o poder colonial no Cairo, impondo condições gravosas aos etíopes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.