"A Alemanha é uma espécie de consciência na Europa"

Em conferência de imprensa após a exibição do documentário Sea Sorrow, realizado por Vanessa Redgrave, lorde Alfred Dubs elogiou o papel de Angela Merkel na crise dos refugiados.

"Angela Merkel está certa quando diz que todos na Europa têm de partilhar a responsabilidade [no acolhimento de refugiados]. O Reino Unido, por exemplo, não está a fazer o que deve", explicou Alfred Dubs. Para o ex-deputado e lorde trabalhista, na questão dos refugiados, "a Alemanha é uma espécie de consciência da Europa".

Nascido em Praga, Dubs tinha seis anos quando, em 1938, a mãe o meteu num comboio do chamado "kindertransport" que o levaria até Inglaterra. O pai, judeu, fugira no dia em que os nazis entraram na Checoslováquia e estava à espera dele em Londres. Esta história é o próprio Dubs que a conta no documentário Sea Sorrow.

Realizado por Vanessa Redgrave, o filme tem ante-estreia marcada para este noite às 21:30 no cinema Medeia Monumental, em Lisboa, com a presença da atriz britânica, do produtor Carlo Nero e de lorde Dubs.

Os três, com a mediação de Paulo Branco, falaram ao fim da manhã aos jornalistas, com Redgrave a concordar com Dubs que o problema está nos "governos da União Europeia como um todo", que não estão a fazer o que digam para acolher os refugiados.

Perante a relutância dos líderes, o segredo passa, garante lorde Dubs, por "pôr a opinião pública do nosso lado". A começar pelos mais jovens. Carlo Nero, cuja filha participou numa das marchas a favor dos refugiados retratada no documentário, explica como "em Londres muitas escolas recebem refugiados ou organizam o dia do refugiado para alertar as crianças o mais cedo possível. É importante explicar o horror que estas pessoas enfrentam para chegar à Europa".

Um "raio de esperança" que Redgrave espera concretizar-se, até porque "a democracia está em jogo". Para a realizadora, o filme "pode ajudar". Lorde Dubs não podia concordar mais: "Se o filme ajudar a salvar uma única vida já vale a pena", remata.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.