50 republicanos peritos em segurança nacional consideramTrump perigoso

Especialistas dizem em carta aberta que Trump seria "o presidente mais perigoso da história dos EUA"

Cinquenta republicanos que exerceram funções importantes na segurança nacional norte-americana denunciaram na segunda-feira a ignorância e incompetência do candidato à Casa Branca do partido, Donald Trump, considerando que seria "o presidente mais perigoso da história" do país.

A denúncia foi feita através de uma carta aberta cujos signatários trabalharam na Casa Branca, no Departamento de Estado ou no Departamento da Defesa, para os presidentes republicanos, de Richard Nixon a George W. Bush.

Sem apelarem ao voto na candidata democrata, Hillary Clinton, escrevem claramente, na carta publicada pelo jornal The New York Times, que nenhum deles vai votar em Donald Trump.

Os signatários declaram que Trump não é qualificado para o cargo, devido à falta de competências e à instabilidade do seu caráter.

"O sr. Trump não tem a personalidade, os valores ou a experiência para ser Presidente", escrevem, sublinhando que isso iria enfraquecer a autoridade moral dos Estados Unidos no mundo.

Dizem ainda que o candidato parece ignorar aspetos elementares da Constituição e do Direito norte-americanos.

Não só Donald Trump é "ignorante" no domínio das relações internacionais, como "não manifestou nenhum desejo de se informar", afirmam.

Ecoando críticas de Hillary Clinton, estas personalidades sublinham que o bilionário não demonstra disciplina, autocontrole e é "incapaz de tolerar críticas pessoais".

"Tem alarmado os nossos aliados mais próximos por causa de seu comportamento errático", escrevem, acrescentando que "estas caraterísticas são perigosas num indivíduo que quer ser Presidente (...), com a responsabilidade do arsenal nuclear dos EUA".

Trump reagiu em comunicado, dizendo que não há "nada melhor do que a elite de Washington que falhou e tenta manter os seus poderes".

Além disso, acusou os signatários da carta de serem "os autores das decisões desastrosas de invadir o Iraque, de permitirem a morte dos norte-americanos em Bengazi e de serem os que permitiram a ascensão do [grupo terrorista] Estado Islâmico".

"Eu proponho uma melhor visão para o nosso país e a nossa política estrangeira, uma visão que não é a de uma família governante na política", afirmou.

Entre os signatários da carta estão Michael Hayden, antigo diretor da CIA, John Negroponte, antigo diretor da agência de segurança nacional e número dois do Departamento de Estado, durante o mandato de George W. Bush, Eric Edelman, antigo conselheiro da segurança nacional do vice-presidente Dick Cheney, e Robert Zoellick, antigo diplomata e presidente do Banco Mundial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.