4.500 casos de pedofilia na igreja católica australiana em 35 anos

Os dados compilados indicam que 78% dos denunciantes eram homens e os outros 22% do sexo feminino

Quase 4.050 pessoas denunciaram abusos sexuais a menores perpetrados por membros da Igreja católica na Austrália entre 1980 e 2015, segundo um relatório apresentado hoje, no início de uma nova ronda de audiências da comissão que investiga estes crimes.

A comissão está encarregada de investigar a resposta oficial aos abusos sexuais de menores na Austrália desde 1950.

No primeiro dia, a advogada conselheira da comissão, Gail Furness, disse que foram recebidas 4.444 denúncias e que estas implicam centenas de religiosos, 93 dos quais de altos cargos da Igreja, e afetam mais de um milhar de instituições.

Os dados compilados indicam que 78% dos denunciantes eram homens e os outros 22% do sexo feminino.

Também foi revelado que a idade média das vítimas foi de 11,6 anos no caso dos rapazes e de 10,5 anos nas raparigas e que demoraram uma média de 33 anos a apresentar as denúncias desde que foram cometidos os alegados abusos.

"Das 1.880 pessoas identificadas como alegadas perpetradoras [dos crimes], 597 eram religiosos, 572 sacerdotes, 543 laicos e 96 eram religiosas", disse Furness.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.