38 mortos em ataques aéreos noturnos atribuidos à Rússia

Pelo menos 38 civis, incluindo cinco crianças, foram mortos num ataque quinta-feira à noite na localidade de Zardana

Trinta e oito pessoas foram mortas na província síria de Idleb durante ataques noturnos atribuídos à força aérea russa, um aliado do regime sírio, de acordo com um novo balanço divulgado pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Os ataques atingiram na noite de quinta-feira a localidade de Zardana, controlada por rebeldes e jihadistas, na província do noroeste do país, segundo o OSDH.

Pelo menos 38 civis, incluindo cinco crianças, foram mortos nos ataques, revelou o Observatório, que num anterior balanço tinha falado em 18 mortes. Os ataques provocaram ainda 60 feridos.

O número de mortos aumentou porque vários corpos foram retirados dos escombros das casas destruídas pelas bombas, disse à Agência France-Presse (AFP) o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

Após os ataques aéreos, abriu-se uma grande cratera no meio de prédios de dois ou três andares, de acordo com um correspondente da AFP no local.

Os civis ajudaram as equipas de resgate a retirar os corpos que estavam enterrados nos escombros.

Num hospital próximo são prestados cuidados médicos a mulheres feridas, crianças, idosos e socorristas.

A maior parte da província de Idleb é controlada pelos jihadistas de Hayat Tahrir al-Sham, uma coligação dominada pelo antigo ramo da al-Qaeda na Síria.

Esta província, uma das últimas a escapar em grande parte do poder de Bashar al-Assad, é regularmente alvo de ataques por parte do regime ou do seu aliado russo.

Desde o apoio russo na intervenção militar de 2015, o regime de Bashar al-Assad recuperou o controlo de mais de 60% do território nacional.

Mais de 350.000 pessoas foram mortas na Síria desde o início do conflito, em 2011.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.