34 crianças morrem num hospital na Índia por alegada falta de reservas de oxigénio

Uma investigação está já em curso

Trinta e quatro crianças morreram nos últimos dois dias num hospital público no norte da Índia porque aparentemente a unidade hospitalar não tinha reservas de oxigénio, divulgaram esta sexta-feira a polícia e os media locais.

"O hospital indicou que 23 crianças morreram na quinta-feira e outras 11 morreram hoje. Até ao momento, esta é a única informação que temos", afirmou, em declarações à agência noticiosa francesa France Presse (AFP) via telefone, um alto responsável da polícia local, Satyarth Aniruddha Pankaj.

"Está em curso uma investigação", acrescentou o representante.

As crianças que morreram estavam internadas no hospital público Baba Raghav Das, localizado no Estado mais populoso da Índia (Uttar Pradesh), zona governada pelo partido de direita Bharatiya Janata Party do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi.

Segundo vários media locais, as crianças morreram depois da empresa fornecedora de oxigénio ter cancelado as entregas ao hospital em questão, aparentemente por falta de pagamento de faturas na ordem de vários milhões de rupias.

Um magistrado local, identificado como V K Srivastava, afirmou, no entanto, que o hospital dispõe de reservas de oxigénio suficientes.

"As mortes não são por causa da falta de oxigénio, ao contrário do que está a ser relatado. O fornecimento foi interrompido ontem [quinta-feira], mas o hospital tem botijas suficientes em reserva", afirmou o magistrado à AFP.

"Muitos casos graves são tratados neste hospital, que regista todos os dias a morte de uma dezena de crianças. Uma equipa foi criada para estudar este caso", concluiu.

Os hospitais públicos indianos enfrentam diariamente grandes constrangimentos e vivem à beira da rutura: os doentes enfrentam longas filas de espera, mesmo para as intervenções mais simples, e muitas vezes são obrigados a partilhar camas.

Os indianos que conseguem evitar os hospitais públicos e recorrer a clínicas privadas, onde uma consulta pode custar em média 1.000 rupias (mais de 13 euros), são uma minoria.

Milhões de indianos vivem com menos de dois euros por dia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.