23 anos após ataque com gás sarin, membros de seita aguardam execução

Condenados foram transferidos para outra prisão, o que indicia uma execução iminente

Treze elementos da seita apocalíptica Aum Shinrikyo (verdade suprema), entre os quais o líder Shoko Asahara, devem estar a viver os últimos dias. Estão todos condenados à morte por diversos crimes. O de maior dimensão ocorreu no dia 20 de março de 1995, quando cinco carruagens do metro de Tóquio foram alvo de ataque com gás sarin. O ataque causou a morte a 13 passageiros, ferimentos graves em dezenas e ligeiros em centenas.

Segundo o Guardian, alguns dos condenados foram transferidos na semana passada para uma prisão fora da capital japonesa, o que prenunciará uma execução iminente. Todos os processos relacionados com a Aum Shinrikyo chegaram ao fim em janeiro. No Japão não há tradição de aplicação da pena capital quando ainda decorrem casos relacionados.

Conta o diário britânico que a mulher de uma vítima mortal, Kazumasa Takahashi, Shizue, ao depositar flores na estação de Kasumigaseki, afirmou ao Kyodo News: "Espero que sejam executados de acordo com a lei e que não se faça barulho sobre o assunto."

Uma organização de direitos humanos, a Sociedade Japonesa para a Reinserção e Prevenção das Seitas, escreveu ao ministro da Justiça para que as penas de todos os condenados (exceto a do líder da seita) sejam comutadas. "[Shoko] Asahara foi o cérebro e os outros 12 foram apenas os seus membros", disse Taro Takimoto, dirigente da organização e sobrevivente ao ataque com gás sarin.

Três dos condenados à morte foram dados como culpados pela morte, em 1989, de um advogado e respetiva família. Tsutsumi Sakamoto estava a trabalhar num processo contra a seita.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.