147 apartamentos turísticos fechados pelo Ayuntamiento de Madrid

Casas alugadas a turistas no centro de Madrid não cumpriam as regras. Duas dezenas de pessoas reforçam equipa de fiscalização

O Ayuntamiento de Madrid ordenou o encerramento de 147 apartamentos de alojamento local na sexta-feira, dia 20. Não cumpriam as regras exigidas. A maioria fica nos bairros cêntricos de Madrid - Centro, Salamanca, Moncloa e Chamberí. Ao mesmo tempo, foi reforçado no número de pessoas destacadas para fazer a inspeção destas casas. Mais 22, segundo o jornal ABC.

"É importante detetar os alojamentos turísticos não legalizados para que se cumpram todos os requisitos necessários da atividade e se evitem fraudes, disse José Manuel Calvo, delegado do Desenvolvimento Urbano Sustentável, ao El Pais , justificando a operação.

Os processos de fiscalização da atividade destes apartamentos foram abertos há vários meses. "A exigência de cumprimento da normativa urbanístico inclui também o cumprimento da normativa setorial em matéria de segurança, acessibilidade, saúde e meio ambiente", diz José Manuel Calvo. Chama-lhe "defesa do direito do consumidor e utilizador dos serviços."

Com este plano, o governo de Manuela Carmena pretende pôr um travão no aumento dos preços de arrendamento consequente gentrificação, um tema que esta semana também foi a debate no Parlamento português e que conhecerá alterações, com críticas por parte da Associação do Alojamento Local e também do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

Alojamento local em 8 mil casas

Os números em Espanha são estes, segundo o El Pais: as casas em regime de alojamento local em Madrid deverão ser 8 mil. 509 estão em investigação e, destas, 300 estão no centro da cidade. A ordem de encerramento chegou a 147 apartamentos, restam 362, ainda sob investigação.

Em alguns bairros cêntricos da capital espanhola, como Centro ou Salamanca, o arrendamento subiu mais de 7%, diz o diário El Pais, com base na consulta de sites de aluguer.

Arquitetos, juristas e administrativos reforçam equipas

Para fazer face ao aumento de inspeções, o Ayuntamiento de Madrid contratou arquitetos, técnicos de gestão especialistas em assuntos jurídicos e oito auxiliares administrativos. Começam a trabalhar na próxima segunda-feira, dia 23, diz o ABC.

As inspeções incluem uma valorização técnica e jurídica necessária para a tramitação dos expedientes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.