147 apartamentos turísticos fechados pelo Ayuntamiento de Madrid

Casas alugadas a turistas no centro de Madrid não cumpriam as regras. Duas dezenas de pessoas reforçam equipa de fiscalização

O Ayuntamiento de Madrid ordenou o encerramento de 147 apartamentos de alojamento local na sexta-feira, dia 20. Não cumpriam as regras exigidas. A maioria fica nos bairros cêntricos de Madrid - Centro, Salamanca, Moncloa e Chamberí. Ao mesmo tempo, foi reforçado no número de pessoas destacadas para fazer a inspeção destas casas. Mais 22, segundo o jornal ABC.

"É importante detetar os alojamentos turísticos não legalizados para que se cumpram todos os requisitos necessários da atividade e se evitem fraudes, disse José Manuel Calvo, delegado do Desenvolvimento Urbano Sustentável, ao El Pais , justificando a operação.

Os processos de fiscalização da atividade destes apartamentos foram abertos há vários meses. "A exigência de cumprimento da normativa urbanístico inclui também o cumprimento da normativa setorial em matéria de segurança, acessibilidade, saúde e meio ambiente", diz José Manuel Calvo. Chama-lhe "defesa do direito do consumidor e utilizador dos serviços."

Com este plano, o governo de Manuela Carmena pretende pôr um travão no aumento dos preços de arrendamento consequente gentrificação, um tema que esta semana também foi a debate no Parlamento português e que conhecerá alterações, com críticas por parte da Associação do Alojamento Local e também do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

Alojamento local em 8 mil casas

Os números em Espanha são estes, segundo o El Pais: as casas em regime de alojamento local em Madrid deverão ser 8 mil. 509 estão em investigação e, destas, 300 estão no centro da cidade. A ordem de encerramento chegou a 147 apartamentos, restam 362, ainda sob investigação.

Em alguns bairros cêntricos da capital espanhola, como Centro ou Salamanca, o arrendamento subiu mais de 7%, diz o diário El Pais, com base na consulta de sites de aluguer.

Arquitetos, juristas e administrativos reforçam equipas

Para fazer face ao aumento de inspeções, o Ayuntamiento de Madrid contratou arquitetos, técnicos de gestão especialistas em assuntos jurídicos e oito auxiliares administrativos. Começam a trabalhar na próxima segunda-feira, dia 23, diz o ABC.

As inspeções incluem uma valorização técnica e jurídica necessária para a tramitação dos expedientes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.