Uso de botox desqualifica 12 camelos de concurso de beleza

Os concursos mantêm viva a tradição, mas os procedimentos plásticos estão proibidos

Em jogo está um prémio de milhões e para muitos criadores a tentação é grande. Na Arábia Saudita realiza-se anualmente um festival de camelos, que inclui uma espécie de concurso de beleza para estes animais e, este ano, assistiu-se à desqualificação de 12 exemplares. Porquê? Devido ao uso de botox.

A imprensa local, citada pela agência noticiosa Reuters, avança que no evento se reuniões milhares de pessoas que assistem com entusiasmo ao desfile dos camelos que concorrem a um prémio que pode chegar ao 30 milhões de dólares (24 milhões de euros). Os jurados observam a estatura do animal, bem como a forma das bossas, mas também estão atentos a pormenores relacionados com o formato dos lábios. De acordo com a edição do The National dos Emirados Árabes Unidos, uns lábios carnudos e grandes são essenciais para uma boa classificação.

Por isso, há quem recorra a injeções de botox para dar aos animais um visual mais adequado aos critérios de beleza. "Eles usam botox nos lábios, nariz, os lábios superiores, os lábios inferiores e até a mandíbula", diz um participante, Ali Al Mazrouei, citado por este jornal. Participante habitual neste tipo de eventos e filho de um criador importante dos Emirados, explica que o botox torna a cabeça maior o que lhe dá um ar imponente.

Dias antes de o festival começar um veterinário foi apanhado a realizar procedimentos estéticos em camelos. Além do botox terá realizado plásticas nas orelhas dos animais.

Os festivais de camelos são uma forma de manter viva a tradição destes animais, que antes eram uma necessidade, para transporte, alimentação, e até máquinas de guerra, e que se tornaram quase um passatempo. O evento passou a ter uma maior duração e mudou-se do deserto para um planalto do deserto junto à capital, Riade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".