1100 euros por quatro bifes e peixe frito? Veneza promete investigar preços exorbitantes

A frequência deste tipo de situações aumenta com a chegada do Carnaval

Uma conta de restaurante está a causar polémica em Veneza. Quatro turistas japoneses queixam-se de ter pagado uma conta astronómica, 1100 euros, por quatro bifes, um prato de peixe frito, água e serviço. O presidente da câmara já disse publicamente que se aquele "episódio vergonhoso for confirmado", irão "punir os responsáveis".

Segundo o The Telegraph, os quatro jovens, que estudam em Bolonha, apresentaram queixa à polícia italiana por causa da conta no restaurante Osteria da Luca, perto da Praça de São Marcos, em Veneza, na Itália. Três mulheres do mesmo grupo de amigos, que optaram por comer noutro restaurante, também acabaram por pagar 350 euros por três pratos de massa.

O presidente da câmara de Veneza publicou no Twitter que irá punir os responsáveis pelo sucedido. "Se este episódio vergonhoso for confirmado, faremos todo o possível para punir os responsáveis", escreveu Luigi Brugnaro.

O dono do restaurante em causa disse não se lembrar de ter tido problemas com clientes japoneses.

Marco Gasparinetti, porta-voz de uma organização sobre os direitos civis de Veneza, "Gruppo 25 aprile", referiu, citado pelo The Telegraph, que este não é um caso único. "O Carnaval está a chegar e o risco deste tipo de situações acontecer vai aumentar. Estamos a pensar em pôr no nosso website um número de telefone para o qual os turistas podem ligar a pedir ajuda em casos como este", disse o porta-voz.

Gasparinetti acrescentou ainda que apenas 1,1% dos restaurantes naquela zona de Veneza são de habitantes locais. Já no centro histórico todo, estima-se que sejam apenas 50%, avança a agência italiana ANSA

A ANSA relata ainda que o restaurante tem críticas muito más no site TripAdvisor, com outros clientes a queixarem-se do preço: um mostra um recibo de duas imperiais que custaram 16 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.