Zuckerberg vai ser ouvido no Parlamento Europeu

Antonio Tajani, presidente do Parlamento Europeu, anunciou hoje que o fundador do Facebook aceitou dar explicações aos líderes dos grupos políticos europeus, em Bruxelas, provavelmente na próxima semana. Uma parte dos eurodeputados exige que a audição seja pública como aconteceu no Congresso dos EUA

"O fundador e diretor executivo do Facebook aceitou o nosso convite para estar em Bruxelas o mais rapidamente possível, provavelmente na próxima semana, para se reunir com os líderes dos grupos políticos e o presidente e relator da Comissão para as Liberdades Cívicas, Justiça e Assuntos Internos[LIBE]", disse hoje, em comunicado, o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, realçando que os cidadãos "merecem uma explicação detalhada" e que o encontro com Mark Zuckerberg visa "restaurar a confiança" através dos representantes de "500 milhões de europeus".

Zuckerberg irá responder às perguntas dos líderes dos grupos políticos europeus sobre o uso indevido de dados de 87 milhões de utilizadores do Facebook, após as revelações sobre a Cambridge Analytica, que trabalhou para a campanha da eleição de Donald Trump em 2016 e, alegadamente, para a campanha do brexit, também em 2016. Até agora, o americano, de 33 anos, tem recusado comparecer perante o Parlamento do Reino Unido.

À Comissão Europeia, em abril, em resposta a um pedido de esclarecimento, o Facebook admitiu que terão sido acedidos, indevidamente, os dados de 2,7 milhões de utilizadores, sendo 63 080 portugueses. No dia 25 deste mês, entra em vigor na União Europeia o Regulamento Geral sobre a Proteção dos Dados Pessoais. Este vai alterar a forma como as empresas, online e offline, gerem e armazenam os dados dos seus utilizadores. Todas as entidades corporativas, Facebook incluído, vão ter que se adaptar à nova legislação.

No início de abril, o fundador do Facebook, compareceu perante o Congresso dos EUA. Entre outras coisas, Zuckerberg admitiu que a rede social que criou consegue até recolher dados de pessoas que nem sequer têm conta de Facebook. Muitos eurodeputados, quando viram Antonio Tajani propor uma audição à porta fechada no Parlamento Europeu, argumentaram que queriam uma comparência igual à que aconteceu nos EUA.

"Eu não irei ao encontro com Zuckerberg se for à porta fechada. Tem que ser uma audição pública - porque não em direto no Facebook? Lamento profundamente que o Partido Popular Europeu (PPE) tenham alinhado com a extrema-direita para que tudo seja feito à porta fechada", escreveu hoje, no Twitter, o líder dos liberais do ALDE, Guy Verhofstadt, defendendo o acesso público à audição.

Segundo o Politico, os líderes dos grupos políticos responderam, como tinham que fazer até às 15.00, a Tajani. Mas a proposta do presidente do Parlamento Europeu recolheu o apoio de uma maioria magra e não faltaram sugestões para alterar os moldes da comparência do diretor executivo do Facebook em Bruxelas. Também o grupo dos Socialistas e Democratas, por exemplo, exigiu uma audição "nos mesmos termos da que houve nos EUA".

"A Conferência de Presidentes decidiu organizar ainda uma audição com o Facebook e outras partes. Esta audição permitirá à Comissão LIBE, bem como a outras, a oportunidade de levar a cabo uma análise aprofundada sobre aspetos relacionados com a proteção pessoal de dados", refere ainda Tajani, no comunicado hoje divulgado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.