Detidos 23 procuradores da Venezuela por corrupção

São acusados de envolvimento com máfias que desviavam dólares a preços preferenciais

O procurador-geral da Venezuela, Tareck El Aissami, anunciou hoje que foram detidos 23 procuradores do Ministério Público, por alegada corrupção.

O anúncio foi feito através da televisão estatal venezuelana, tendo aquele alto magistrado precisado que foram também detidas outras 20 pessoas pelo alegado envolvimento com máfias que desviavam dólares a preços preferenciais, outorgados pelo Estado.

Estes dólares estavam destinados à compra de alimentos e medicamentos.

Segundo Tareck El Aissami, os procuradores estavam a converter o Ministério Público "num cartel de extorsão".

Por outro lado, precisou que mais de 100 altos funcionários da empresa estatal Petróleos da Venezuela SA (PDVSA) "estão detidos por suspeita de estarem relacionados com atos de corrupção e desfalques contra a nação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.