Bourdain no Porto: "Queria absorver tudo, saber tudo"

Anthony Bourdain esteve no Porto, em fevereiro de 2017, e visitou restaurantes como a Cozinha do Martinho ou o Gazela

11 de fevereiro de 2017. Branca Pereira, de 47 anos, garante nunca esquecerá o dia em que Anthony Bourdain visitou a Cozinha do Martinho, o restaurante fundado pelo pai, no Porto. "Quando me disseram que ele vinha cá, pensava que era uma brincadeira", recorda a atual gerente do negócio. Não era. E aquela visita foi uma "bênção". "Foi um dia memorável, inesquecível. Foi uma honra recebê-lo, um grande privilégio".

Branca conta que Bourdain era "um homem de trato muito fácil, muito educado, muito próximo". "Costumo dizer que ele era uma esponja. Queria absorver, saber tudo. Quis saber a história das tripas, todos os condimentos, como eram preparadas".

Conversaram, essencialmente, sobre a vida de Martinho, que abriu o restaurante há 46 anos. "Queria saber o percurso do meu pai. Ficou fascinado quando soube que o meu avô já era chef e que o meu pai tinha começado aos 11 anos", lembra.

Além das tradicionais tripas à moda do Porto, Bourdain aceitou as sugestões da casa: "Seguiu a linha mais tradicional. Comeu petinga frita, pão e queijo da aldeia, paio de porco preto. Terminou com as rabanadas".

Para Branca, a notícia da morte de Anthony Bourdain "foi um choque". "Na semana passada estava num país, agora noutro. Isto é irreal", lamenta, destacando que o chef era "um fenómeno, um comunicador, um gigante da comunicação".

Não faltaram os cachorrinhos

Ainda na Invicta, Bourdain filmou parte do seu programa na cervejaria "Gazela", conhecida pelos seus "cachorrinhos da Batalha". Américo Pinto reconhece que "não o conhecia", mas foi uma "boa surpresa". "Trouxe muita gente ao estabelecimento", sublinha.

Embora "parecesse um pouco distante no início", Américo recorda como o chef se revelou "uma pessoa amável, acessível". No final da gravação, prossegue, conversou com toda a equipa. "Foi muito simpático". E ficou maravilhado com a especialidade da casa. "Disse que o cachorro era maravilhoso".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.