"Inaceitáveis". Governo critica incidentes em manifestação anti-corona em Berlim

Durante a noite, várias centenas de manifestantes forçaram as cercas de segurança e um posto de controlo da polícia nas escadas de acesso ao Reichstag.

O ministro alemão do Interior considerou este domingo "inaceitáveis" os incidentes em Berlim no sábado durante a manifestação contra as restrições relacionadas com a pandemia de covid-19, e que resultaram em 300 detenções.

Num texto publicado no jornal alemão Bild, Horst Seehofer lamentou ver extremistas a tentar forçar o seu caminho para o edifício Reichstag, a sede da Câmara dos Deputados e o centro simbólico da democracia alemã.

A manifestação ocorreu no sábado contra as restrições impostas para conter a pandemia de covid-19 e onde foi necessária a intervenção da polícia para dispersar os manifestantes, por não estarem a ser respeitadas as regras de segurança.

Durante a noite, várias centenas de manifestantes forçaram as cercas de segurança e um posto de controlo da polícia nas escadas de acesso ao Reichstag.

Estes manifestantes foram impedidos de entrar no edifício pela polícia, que usou 'sprays' para dispersar a multidão e deteve várias pessoas.

No total, segundo a AFP, a manifestação reuniu 38 mil pessoas de acordo com a polícia, o dobro do esperado inicialmente, tendo cerca de 300 pessoas sido presas em confrontos com a polícia.

O Reichstag, onde os deputados alemães se reúnem em plenário, tem uma forte carga simbólica na Alemanha, tendo sido incendiado em 1933 pelos nazis.

Segundo o ministro alemão, "a pluralidade de opiniões" é uma característica do bom funcionamento de uma sociedade, mas a liberdade de manifestação está a chegar aos seus limites quando as regras públicas não são respeitadas, escreve.

O governo regional de Berlim tinha proibido a manifestação, apontando que em protestos semelhantes realizados nas últimas semanas os manifestantes não respeitaram regras como o uso de máscara ou o distanciamento social, mas os organizadores recorreram à justiça e um tribunal autorizou a manifestação.

O tribunal determinou que o uso de máscara no protesto não é obrigatório, mas que os participantes devem manter uma distância de 1,5 metros entre si.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG