Imprensa revela medidas contra o terrorismo na Alemanha

Medidas preveem, por exemplo, acelerar expulsão de refugiados que representem "perigo para a segurança pública"

O ministro do Interior alemão prepara uma série de medidas para reforçar a luta contra o terrorismo, na sequência dos ataques registados em julho, reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

De acordo com o jornal alemão Bild, que cita fontes ligadas às autoridades de Berlim, o ministro Thomas de Maizière, defende a aplicação de medidas que podem acelerar a expulsão de refugiados ou de requerentes de asilo e que "representem um perigo para a segurança pública".

A medida surge na sequência dos atentados no sul da Alemanha, no mês de julho.

Um dos ataques fez cinco feridos quando um jovem - provavelmente afegão - atacou as pessoas que se encontravam numa estação ferroviária e o segundo ataque, cometido por um sírio, provocou 15 feridos junto à entrada de um festival de música.

Por outro lado, o ministro do Interior alemão pretende que as autoridades de Berlim venham a ter acesso a informações médicas dos indivíduos para que as autoridades sejam informadas "a tempo" de eventuais crimes que possam estar a ser planeados pelos supostos atacantes.

Em julho, segundo as autoridades, um jovem que sofria de perturbações mentais, inspirado pelo norueguês de extrema-direita, Anders Behring Breivik, abateu a tiro nove pessoas antes de se suicidar, em Munique.

Ainda segundo a imprensa, Maizière pretende fazer aprovar, durante o mês de agosto, a "Declaração de Berlim" que deve contar com a colaboração dos ministros do Interior das várias regiões do país e que, entre outras medidas, prevê restringir os pedidos de nacionalidade.

A mesma declaração defende também o recrutamento de novos 15 mil elementos destinados ao corpo de polícia, até 2020, a criação de um centro de luta contra os crimes informáticos e o combate ao tráfico de armas que utiliza a internet como meio de transação ilegal de material bélico.

O mesmo documento apela também à criação de legislação que impede o financiamento de organizações extremistas a mesquitas, na Alemanha, assim como pede a expulsão de "responsáveis religiosos estrangeiros" que defendem o "ódio".

As medidas devem ser anunciadas formalmente durante uma conferência de imprensa em Berlim, na quinta-feira.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG